Descrição de chapéu América Latina

Em mais um dia de protesto, Duque conversa com opositores sobre crise na Colômbia

Protestos contra governo conservador já deixaram 26 mortos e demandas aumentam

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Bogotá | Reuters

Após dez dias de protestos violentos, o presidente da Colômbia, Iván Duque, se reuniu com oponentes políticos nesta sexta-feira (7) para discutir soluções para a crise no país.

No encontro, membros da Coalición de la Esperanza, uma aliança política de centro-esquerda para as eleições de 2022, levantaram uma série de exigências para combater a pobreza, o desemprego e a violência policial no país.

Duque disse em suas redes sociais que a conversa foi produtiva e representou uma “grande oportunidade de diálogo”, mas os participantes da oposição disseram que o presidente precisava trabalhar muito para atender às demandas.

Um homem vestido de Homem-Aranha ergue o punho cerrado em cima da estátua deSimon Bolívar durante protestos contra o governo em Bogotá
Um homem vestido de Homem-Aranha ergue o punho cerrado em cima da estátua deSimon Bolívar durante protestos contra o governo em Bogotá - Daniel Munoz - 7.mai.2021/AFP

“Entramos em negociações com o presidente Ivan Duque como oposição e saímos como oposição", disse Jorge Robledo, senador do partido Dignidade.

O governo deve conter a violência policial, afirmou a congressista do Partido Verde, Katherine Miranda. "O governo tem duas faces. De dia, ele oferece diálogo e conciliação, mas à noite mostra apenas repressão", disse ela à agência de notícias Reuters.

Uma das principais demandas dos manifestantes é a dissolução do temido esquadrão da polícia de choque Esmad, sigla para Esquadrão Móvil Antidistúrbios, que Duque descartou. A tensão na Colômbia gerou manifestações da ONU, da União Europeia, dos EUA e de ONGs de direitos humanos, que denunciaram o uso desproporcional de força pela polícia para controlar os protestos.

O governo deve se reunir na segunda-feira (10) com o comitê nacional de greve, formado por sindicatos e outros grupos de oposição.

As manifestações, que deixaram ao menos 26 mortos e centenas de feridos, começaram na semana passada contra um plano de reforma tributária sugerido por Duque que, após a pressão das ruas, voltou atrás e retirou o projeto da pauta do Congresso.

As demandas dos manifestantes, porém, agora incluem uma renda básica e a retirada de uma reforma da saúde longamente debatida que os oponentes dizem ser muito vaga para corrigir as desigualdades no país.

Lá Fora

Receba toda quinta um resumo das principais notícias internacionais no seu email

Nesta sexta, manifestantes foram às ruas mais uma vez em cidades como Bogotá e Medellín. Em conversa com jornalistas, o presidente pediu aos manifestantes que retirem os bloqueios de estradas que estão causando a escassez de alimentos e medicamentos, além do aumento de preços.

Duque não pode concorrer às eleições que acontecem no próximo ano, mas as manifestações em andamento podem prejudicar as chances de candidatos de seu partido.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.