Descrição de chapéu
Alon Lavi

Povo de Gaza só terá vida normal quando estiver livre do Hamas

Comunidade internacional precisa pressionar grupo a sair do caminho da violência e a aceitar o direito de Israel de existir em paz

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Alon Lavi

Cônsul-geral de Israel em São Paulo

Sigmund Freud disse uma vez: "Às vezes, um charuto é apenas um charuto”.

A violência entre Gaza e Israel voltou porque o Hamas, uma organização terrorista, decidiu provocar violência mais uma vez. A tentativa de tentar explicar essa explosão recorrente de violência entre Israel e Hamas geralmente não leva em conta o fato mais simples e óbvio —a violência é a principal ferramenta e locomotiva dos terroristas em todo o mundo.

"Israel se levantará e permanecerá ereto até que o islã o elimine como eliminou seus antepassados." Essa frase faz parte da Carta do Hamas, principal documento a revelar suas inclinações ideológicas. Quando esse é o objetivo de uma organização, o motivo da violência, tudo o mais é uma questão de tática. Mas isso só arranha a superfície dos pontos de vista e da ideologia do Hamas. A verdade é muito mais dura.

Casa destruída na cidade de Yehud, em Israel, após foguetes lançados pelo Hamas
Casa destruída na cidade de Yehud, em Israel, após foguetes lançados pelo Hamas - Jack Guez - 12.mai.21/AFP

O Artigo 28 da Carta diz que “Israel, em virtude de ser judeu e de ter uma população judia, desafia o islã e os muçulmanos”, e muitas referências a “judeus” no documento carregarem conotação negativa e racista.

A violência do Hamas existe apenas devido ao ódio aos outros, ao antissemitismo e ao racismo. Esta é a triste realidade. Claro, pode haver argumentos relacionados a Israel de por que o Hamas decidiu lançar seus foguetes agora e não há uma semana, ou um mês atrás, mas o principal motivo é o mesmo —o Hamas é uma organização que se recusa a aceitar o direito de existência de Israel.

Os terroristas do Hamas, desde segunda-feira (10), lançaram mais de 1.500 foguetes contra áreas civis de Israel, a partir de áreas civis em Gaza. Um duplo crime de guerra que atenta contra a vida de milhões de crianças, mulheres e homens civis que vivem em Israel. E que também coloca em risco a vida da população civil em Gaza, onde líderes do Hamas se escondem entre idosos, mulheres e crianças.

Além disso, o Hamas lançou foguetes contra a capital de Israel, Jerusalém, colocando em risco moradores da cidade, judeus, muçulmanos e cristãos, além dos lugares mais sagrados para o cristianismo, o islamismo e o judaísmo. Nenhum país toleraria tal terrorismo e agressão a sua soberania e seus cidadãos.

Lá Fora

Receba toda quinta um resumo das principais notícias internacionais no seu email

Sem dúvida, nenhum dos leitores aceitaria viver sob constante ameaça de ataques terroristas onde moram e trabalham ou onde estão suas famílias. Israel tem o direito e a obrigação de defender seu povo. Não é uma tarefa fácil, especialmente quando o Hamas usa a população de Gaza como escudo. O Hamas se esconde entre inocentes, lançando foguetes ao lado de escolas, mesquitas e edifícios residenciais.

A comunidade internacional precisa pressionar o Hamas a sair do caminho da violência, a parar com o terrorismo e a aceitar o direito de Israel de existir em paz. O povo de Gaza merece uma vida normal como o povo de Israel merece, mas isso só pode acontecer quando Gaza estiver livre do Hamas, que impõe um regime de terror, com opressão a oposicionistas, mulheres, minorias religiosas e sexuais, entre outros.

Em 1947, a ONU decidiu pela partilha da Palestina, entre judeus e árabes. Lamentavelmente, o lado árabe, em equívoco histórico, rejeitou a divisão e optou pela guerra, iniciando-a em 1948.

Ao longo das últimas décadas, vários acordos de paz foram assinados entre israelenses e seus vizinhos árabes. Israel prova, insistentemente, seu desejo de viver em harmonia e cooperação em um Oriente Médio pacificado e democrático. Porém, mais de 70 anos depois da partilha decidida pela ONU, ainda existem grupos como o Hamas, voltados à destruição de Israel.

Que possamos, em breve, testemunhar o fim de todo este derramamento de sangue.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.