Descrição de chapéu oriente médio

Presidente eleito do Irã descarta reunião com Biden e negociação de pacto nuclear 'por prazer'

Ebrahim Raisi exige que Washington suspenda sanções e elenca alianças regionais como prioridade na política externa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Teerã | AFP e Reuters

Em sua primeira entrevista coletiva como presidente eleito do Irã, o juiz ultraconservador Ebrahim Raisi manteve a dureza no discurso contra os Estados Unidos, disse que não se encontraria com Joe Biden mesmo se as sanções americanas fossem suspensas —uma de suas exigências— e elencou a relação com países vizinhos no Golfo Árabe como a prioridade de sua política externa.

Raisi, 60, conhecido por ser um crítico estridente do Ocidente, foi eleito em primeiro turno com 61,95% dos votos. Além de marcado pelo menor comparecimento às urnas desde a instauração da República Islâmica, em 1979, o pleito teve alguns dos principais candidatos desclassificados pelo Conselho de Guardiões —órgão em que, como chefe do Judiciário, Raisi tinha a prerrogativa de indicar metade dos membros.

O futuro presidente deve assumir o cargo em agosto, substituindo Hasan Rowhani, enquanto o Irã busca contornar as dificuldades econômicas por meio do fim das sanções impostas pelos EUA em resposta ao descumprimento do acordo nuclear entre os dois países.

O presidente eleito do Irã, Ebrahim Raisi, durante entrevista coletiva em Teerã - Majid Asgaripour/Wana - 21.jun.21/Reuters

Nesta segunda (21), em Teerã, Raisi disse que Washington violou o pacto e que a União Europeia também não cumpriu seus compromissos. Em tom de exigência, afirmou ainda que todas as sanções impostas ao Irã devem ser suspensas imediatamente e que não vai tolerar "negociações pelo prazer de negociar".

"Apoiamos as negociações que garantem nossos interesses nacionais. A América deve retornar imediatamente ao acordo e cumprir suas obrigações", disse. Quando questionado se, diante de um possível fim das sanções, aceitaria se encontrar com Biden, Raisi simplesmente respondeu: "Não".

Lá Fora

Receba toda quinta um resumo das principais notícias internacionais no seu email

As tratativas em torno de uma possível retomada do acordo estão em andamento em Viena desde abril.

Sob o governo de Donald Trump, os EUA deixaram o pacto e voltaram a impor sanções contra o país persa. Teerã, por sua vez, violou os termos do acordo sobre enriquecimento de urânio, embora negue que tenha a ambição de desenvolver armas nucleares.

Apesar das exigências dos países árabes do Ocidente e do Golfo para que o programa iraniano de mísseis balísticos seja incluído nas negociações para reviver o acordo, Raisi considera o tema inegociável. "Eles [os EUA] não cumpriram o acordo anterior. Como querem entrar em novas discussões?"

O próprio Raisi é alvo de sanções impostas por Washington devido à participação no que os EUA e grupos de defesa de direitos humanos classificam de assassinato extrajudicial de milhares de prisioneiros políticos na República Islâmica em 1988. Como juiz, Raisi teria autorizado mortes e torturas, segundo denúncias de dissidentes e investigações internacionais.

A jornalistas o presidente eleito disse que sempre defendeu os direitos humanos e que foi punido pelos EUA por fazer seu trabalho como juiz quando, na perspectiva dele, deveria ter sido recompensado por defender os direitos e a segurança do povo iraniano.

A eleição de Raisi, porém, não deve alterar a posição do Irã em questões fundamentais. Primeiro porque decisões como as que envolvem o acordo nuclear não cabem ao presidente, e sim ao aiatolá Ali Khamenei, que tem a palavra final na condução das políticas iranianas.

Além disso, para os analistas, o país deve adotar uma política externa pragmática; se não por convicção, por necessidade, já que as sanções agravaram drasticamente a economia.

Embora a atenção internacional se concentre nessa questão, Raisi afirmou que a política externa iraniana não se limitará ao acordo nuclear. "O Irã quer interação com o mundo. A prioridade do meu governo será melhorar os laços com nossos vizinhos na região."

Nesse sentido, o presidente eleito pediu à Arábia Saudita que pare imediatamente a interferência no Iêmen. Uma coalizão liderada pelos sauditas interveio na guerra do país em 2015, depois que as forças houthi apoiadas pelo Irã expulsaram o governo local.

A Arábia Saudita, país de maioria muçulmana sunita, e o Irã, em que predomina a população xiita, travam, há décadas, guerras por procuração em vários países do Oriente Médio. Em 2016, romperam relações.

Em abril, com o objetivo de conter a escalada de tensões, Teerã e Riad iniciaram negociações diretas no Iraque. Nesta segunda, Raisi disse que a reabertura da embaixada saudita não seria um problema, e a retomada das atividades seria ao menos um sinal de avanço para as alianças regionais iranianas.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.