Descrição de chapéu talibã Ásia terrorismo

Assassinato de cantor pelo Talibã revive proibição da música tradicional no Afeganistão

Fawad Andarabi, que cantava canções folclóricas, foi morto a tiros por membros do grupo extremista

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Guarulhos

O assassinato de um cantor folclórico afegão por membros do Talibã na sexta (27) aumentou os temores de que o grupo fundamentalista replique no país as mesmas práticas que implementou à força quando esteve no poder pela primeira vez, de 1996 a 2001—entre as quais, a proibição de músicas tradicionais.

Fawad Andarabi, músico conhecido no Vale do Andarabi, localizado na região montanhosa de Panjshir, onde reside um núcleo de resistência contra os talibãs, foi arrastado para fora de sua casa pelos combatentes e morto a tiros. A informação foi confirmada inicialmente pela agência Associated Press.

Talibãs na traseira de uma picape em local próximo ao aeroporto internacional de Cabul
Talibãs na traseira de uma picape em local próximo ao aeroporto internacional de Cabul - Wakil Kohsar - 31.ago.21/AFP

A família do músico disse que o grupo atirou em Fawad poucos dias após terem revistado sua casa e bebido chá com ele. "Ele era inocente, um cantor que só estava entretendo as pessoas", disse seu filho, Jawad, à AP. "Atiraram na cabeça dele."

O ex-ministro afegão do Interior Masud Andarabi, que é da mesma região que o músico, também confirmou o caso em uma rede social. "A brutalidade do Talibã continua em Andarabi. Eles mataram Fawad Andarabi, que estava apenas trazendo alegria para este vale e para seu povo", escreveu. "Como ele cantava, 'nosso belo vale, a terra dos nossos antepassados' não se submeterá à brutalidade talibã."

Em um vídeo, é possível ver Fawad tocando e cantando rodeado por outras pessoas na região cercada por montanhas. O afegão tocava ghichak, um tipo de alaúde, e cantarolava canções tradicionais sobre seu local e seu povo. O folclore é um dos principais tipos de música regional no Afeganistão.

Zabihullah Mujahid, porta-voz do Talibã, disse que o grupo investigaria o assassinato, mas não deu mais detalhes. O episódio violento, porém, ampliou os indícios do tipo de regras que o grupo fundamentalista pode impor e a descrença nas tentativas de imprimir uma suposta moderação.

Na última semana, em entrevista ao jornal The New York Times, Mujahid negou que a facção esteja perseguindo opositores, mulheres e afegãos que colaboraram com as tropas americanas ao longo das duas décadas em que elas permaneceram no país. Mas cravou um objetivo: a música não será permitida em público.

"A música é proibida no islã", disse. "Mas esperamos que possamos persuadir as pessoas a não fazer essas coisas, em vez de pressioná-las." Na década de 1990, o Talibã permitiu o canto religioso, mas baniu outros tipos de música, vistos como distrações aos estudos islâmicos e que podiam encorajar comportamentos impuros. Oficiais talibãs chegaram a destruir instrumentos e quebrar fitas.

A relatora especial da ONU para direitos culturais, Karima Bennoune, disse ter grande preocupação com o assassinato de Fawad. Antes mesmo do episódio, ela já vinha alertando para o que chama de um possível "desastre cultural" no Afeganistão após a tomada do poder pelo Talibã, no último dia 15.

"É deplorável que o mundo tenha abandonado o Afeganistão com um grupo fundamentalista como o Talibã, cujo histórico catastrófico de direitos humanos, incluindo a prática do apartheid de gênero, o uso de punições cruéis e a destruição sistemática do patrimônio cultural, está bem documentado", disse.

O primeiro período em que o grupo esteve no poder, há mais de 20 anos, é lembrado, entre outras coisas, pela destruição do patrimônio cultural afegão, algo que se teme repetir agora. Perseguidos, muitos artesãos se refugiaram em países como o Paquistão e o Irã.

Como parte de uma tentativa pouco creditada de demonstrar tolerância, o Talibã também anunciou no domingo (29) que autorizará a presença de mulheres nas universidades —desde que separadas dos homens. A mudança de atitude é vista com ceticismo e contrariada por relatos de estudantes afegãs.

O grupo fundamentalista retomou o poder após o início da retirada das tropas americanas do país, processo que foi concluído nesta segunda (30). Além do temor da violência do Talibã, afegãos também temem possíveis ataques do Estado Islâmico, que têm um ramo afegão, o EI-K. O grupo terrorista, opositor dos talibãs, realizou um ataque que deixou mais de 180 mortos na última semana.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.