Descrição de chapéu taleban terrorismo

'Eu seria o primeiro a ser levado pelo Taleban', diz diplomata que fugiu

Wadhat trabalhou com jornalistas, Exército espanhol e governo afegão, e agora não sabe da família

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Na manhã do último sábado (14), Mohammed Salem Wadhat chegou ao trabalho no Ministério das Relações Exteriores, em Cabul. Achou que havia algo estranho e sabia o quê.

Afegãos fazem fila fora do aeroporto internacional de Cabul
Afegãos fazem fila fora do aeroporto internacional de Cabul - Reuters

"Não tinha ninguém nos escritórios. Eu soube que estava na hora de ir embora. Minha mãe tinha me dito um mês antes para eu fazer isso, porque o Taleban estava chegando", conta esse afegão de 39 anos, todos vividos sob algum tipo de guerra.

Nele há um triplo alvo desenhado. Primeiro, é um tadjique étnico, grupo rival dos pashtuns talebans. Segundo, trabalhou por anos como intérprete para jornalistas e para o destacamento da Espanha na força da Otan (aliança militar ocidental) no Afeganistão.

Terceiro, é um diplomata especializado em inteligência do governo que viria a ser derrubado no domingo (15). "Não posso voltar enquanto o Taleban estiver lá. Não acredito em anistia. Eles são selvagens", disse em uma troca de mensagens e áudios.

Sua mulher e três filhos pequenos já estavam havia algum tempo no Canadá, então ele resolveu agir rapidamente. Ao longo da semana passada, com o rolo compressor do Taleban tomando província após província, ele havia pedido a um colega um passaporte ordinário.

"Se eu tentasse sair do país com meu passaporte diplomático, poderia ter algum problema", contou ele, que trabalhou durante as eleições presidenciais de 2009 com a Folha, quando escapou por pouco com a reportagem de um atentado do mesmo Taleban.

Ele fala inglês e um espanhol fluente, adquirido em anos estudando em Madri e, depois, trabalhando como segundo secretário da embaixada afegã na cidade. Isso o levou a ser intérprete e ajudou a colocá-lo hoje em perigo.

O problema maior seria o bilhete aéreo. A partir de contatos do ministério, conseguiu um para Istambul (Turquia) a um preço quatro vezes superior aos usuais US$ 200 (pouco mais de R$ 1.000), para as pouco mais de cinco horas de voo.

Num país em que um funcionário público bem pago ganha não mais do que o dobro disso, era uma despesa proibitiva. "Não tinha como levar minha mãe ou meus irmãos e irmãs. Com o meu perfil, eu seria o primeiro a ser levado [pelo Taleban] na família, não tive dúvida", afirmou, chorando.

O diplomata e intérprete afegão Wadhat com seus sua filha e um dos filhos
O diplomata e intérprete afegão Wadhat com seus sua filha e um dos filhos - Salem Wadhat no Facebook

Sua partida foi atabalhoada, pois as multidões que resolveram fugir de Cabul já se aglomeravam quando enfim ele decolou, num dos últimos voos comerciais a deixar a capital antes da entrada do Taleban, às 8h40 do domingo (15).

Ao chegar à Turquia, sacou seu passaporte diplomático, o que o isentou da necessidade de um visto que nunca conseguiria tirar: as embaixadas em Cabul vinham sendo fechadas ou tendo os trabalhos reduzidos a um mínimo na semana passada.

"Três horas depois que eu embarquei, o presidente [Ashraf Ghani] já estava fora do país", diz ele, que está em um hotel em Istambul e não conseguiu parar para pensar nos seus próximos passos.

Ele tem preocupações mais imediatas. Na segunda (16), teve o último contato com a família, por telefone. "Eles contaram que o Taleban já estava procurando intérpretes em todos os bairros, e por isso minha mãe decidiu sair da cidade. Eu não sei onde ela e meus irmãos estão", disse.

As promessas de moderação do grupo que comandou o Afeganistão de forma violenta e obscurantista de 1996 a 2001, quando foi expulso pela invasão americana pós-11 de Setembro, não convencem Wadhat.

"Voltar seria regressar a um inferno que eu achava ter acabado. Os talebans sempre dizem que não vão fazer nada, mas não são confiáveis. Eles podem matar qualquer um na rua e ninguém assumirá responsabilidade", disse.

Vídeos que circularam pela internet mostrando talebans prendendo civis nas ruas de Cabul parecem comprovar esse temor.

Wadhat perdeu as esperanças e se vê isolado. "Nasci com as tropas soviéticas [ocupando o país], tinha 18 anos quando chegaram os talebans. Com 22 anos vi os americanos atacarem e, agora, de novo os talebans. A vida toda é um inferno", diz.

"Quando você vê aquelas pessoas caindo do céu, depois de se agarrarem a um avião americano, sabe que o povo não quer o Taleban no poder", diz, sobre as cenas da segunda-feira na capital afegã.

Contando o dinheiro, ele pretende reconstruir a vida no exterior, mas seu horizonte de eventos ainda não permite vislumbrar como.​

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.