Descrição de chapéu taleban terrorismo

Número 2 do Taleban retorna ao Afeganistão; saiba quem é quem na liderança do grupo

Volta do mulá Baradar, chefe do escritório político, é mais um passo na consolidação da facção como autoridade

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Cabul | AFP e Reuters

Um dos fundadores e número dois na hierarquia do Taleban, o mulá Abdul Ghani Baradar retornou nesta terça-feira (17) ao Afeganistão, dois dias após o grupo radical retomar o poder por meio de uma ofensiva militar.

É a primeira vez que um líder do alto escalão regressa publicamente ao país desde que a facção foi destituída, em 2001, por tropas ocidentais. O mulá, que comanda o escritório político do Taleban e fez parte do grupo que discutiu no Qatar um cessar-fogo com o governo afegão, desembarcou em Kandahar, no sul do país, segundo postou Mohamad Naeem, um dos porta-vozes do Taleban, no Twitter.

O mulá Abdul Ghani Baradar durante a cerimônia de assinatura do acordo de paz com os EUA, no Qatar
O mulá Abdul Ghani Baradar durante a cerimônia de assinatura do acordo de paz com os EUA, no Qatar - Karim Jaafar - 29.fev.20/AFP

A escolha do local não foi sem motivo. Segunda maior cidade do país, Kandahar foi onde o Taleban estabeleceu a capital de seu regime durante o período em que esteve no poder pela primeira vez, de 1996 a 2001. O grupo, criado na primeira metade dos anos 1990, nasceu na província de mesmo nome.

De acordo com relatos, Baradar gozava da confiança do mulá Mohammad Omar, fundador e primeiro líder do Taleban, que teve a morte anunciada em 2015 —relatos da inteligência afegã indicam que ela teria ocorrido dois anos antes, em um hospital no Paquistão, mas, segundo o grupo, o falecimento, por causas naturais, se deu no Afeganistão.

Capturado em 2010 por forças de segurança no sul do Paquistão, o número dois do regime foi solto em 2018. Ele representou o grupo fundamentalista na assinatura de um acordo de paz histórico com os EUA, em fevereiro de 2020, para tentar colocar fim ao conflito de quase duas décadas —documento rasgado com a nova ofensiva militar.

lá fora

Receba toda quinta um resumo das principais notícias internacionais no seu email

O retorno de Baradar ao Afeganistão é mais um passo na consolidação do Taleban como autoridade local do emirado islâmico —ainda que não estejam claros os nomes cotados para o cargo mais alto do governo. Além do mulá, saiba quem são as outras figuras-chaves do grupo.

O LÍDER: HIBATULLAH AKHUNDZADA

Conhecido como "líder dos fiéis", o jurista islâmico é o líder supremo do Taleban e tem a palavra final sobre os assuntos políticos, religiosos e militares do grupo.

Akhundzada assumiu o comando quando seu antecessor, Akhtar Mansour, foi morto em um ataque com drone feito pelos Estados Unidos na fronteira do Afeganistão com o Paquistão, em 2016.

Por 15 anos, até sumir de repente em maio de 2016, Akhundzada deu aulas e pregou em uma mesquita em Kuchlak, cidade a sudoeste do Paquistão, de acordo com relatos de estudantes à agência de notícias Reuters. Acredita-se que ele tenha por volta de 60 anos, e seu paradeiro é desconhecido.

CHEFE MILITAR: MULÁ MOHAMMAD YAQOOB

Filho do mulá Omar, fundador do Taleban, Yaqoob supervisiona as operações militares do grupo e vive no Afeganistão, de acordo com informações da imprensa internacional.

Em diversas ocasiões, ele chegou a ser cotado para assumir a liderança do grupo, mas em 2016 recomendou oficialmente o nome de Akhundzada para o cargo. Segundo um comandante do Taleban que participou do encontro em que a orientação foi dada, Yaqoob tomou a decisão porque considerava não ter experiência suficiente no campo de batalha e era muito jovem para assumir o comando da organização.

Estima-se que ele tenha hoje por volta de 30 anos.

CHEFE DA REDE HAQQANI: SIRAJUDDIN HAQQANI

Filho de Jalaluddin Haqqani, um famoso guerrilheiro islâmico, Sirajuddin comanda a rede Haqqani, grupo que supervisiona os ativos financeiros e militares do Taleban na fronteira com o Paquistão.

Especialistas afirmam que foram os haqqanis que levaram ao Afeganistão o conceito de ataque suicida com bombas. O grupo foi responsabilizado por uma série de atentados no país, como a tentativa de assassinato do então presidente Hamid Karzai em 2002, uma invasão ao hotel mais famoso de Cabul e um ataque suicida na embaixada da Índia. Sirajuddin tem por volta de 50 anos, e seu paradeiro é desconhecido.

SHER MOHAMMAD ABBAS STANEKZAI

Ex-vice-ministro no período em que o Taleban governou o Afeganistão pela primeira vez, Stanekzai vive em Doha há quase uma década e se tornou o chefe do escritório político do grupo na capital do Qatar em 2015. Ele fez parte das negociações com o governo do Afeganistão e atua como uma espécie de diplomata do Taleban em viagens a outros países.

ABDUL HAKIM HAQQANI

Chefe do grupo de negociação da facção. É ex-presidente do tribunal máximo do Taleban e comanda um influente conselho de estudiosos do islamismo. É considerado o principal homem de confiança de Akhundzada, o atual líder dos radicais.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.