Descrição de chapéu talibã Ásia terrorismo

Talibã vai proibir mulheres de praticar esportes no Afeganistão

Em mais um sinal de que moderação prometida é para ocidental ver, grupo sugere veto

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Em mais um sinal de que as promessas de moderação são para ocidental ver, o Talibã disse nesta quarta (8) que mulheres não poderão praticar esportes "nos quais elas sejam expostas".

A informação foi dada por um dos chefes da comissão cultural do grupo fundamentalista, que retomou o poder no Afeganistão em 15 de agosto e acaba de formar um governo provisório, à rede australiana SBS.

Afegãs protestam contra apoio do Paquistão ao Talibã em Cabul
Afegãs protestam contra apoio do Paquistão ao Talibã em Cabul - Hoshang Hashimi/AFP

"Não acho que mulheres poderão jogar críquete porque não há necessidade para isso", disse Ahmadullah Wasiq. "No críquete, elas podem enfrentar uma situação em que seu rosto e corpo não estarão cobertos, e o islã não permite que mulheres sejam vistas assim. O emirado [como o grupo chama seu governo] não permite mulheres a jogar críquete ou quaisquer esportes nos quais elas sejam expostas."

A entrevista versava sobre críquete, bastante popular no país —o próprio Talibã permitiu na última sexta (3) a realização de um jogo, algo que não fazia quando governava o país com mão de ferro de 1996 a 2001, até ser expulso do poder pela invasão americana encerrada no dia 30 de agosto.

Não houve nenhum decreto formal sobre o tema, mas o comentário vai em linha com o anúncio do novo governo afegão: radicais de velha guarda ocupam boa parte dos cargos, sem presença feminina.

O Ministério da Promoção da Virtude e da Prevenção do Vício, a temida polícia política dos anos do Talibã 1.0, foi recriado. Não está claro com quais poderes, em especial num momento em que cresce a suspeita externa sobre o discurso dos extremistas de que agora seria tudo diferente e que haveria mais liberdade.

Tudo dentro de um escopo da sharia, a lei islâmica que o Talibã segue de forma literal, como se vivesse na Idade Média.

O fato de que sua face relativamente mais cosmopolita, o mulá Abdul Ghani Baradar, não tenha ficado com a chefia principal do governo do líder supremo Hibatullah Akhundzada, sugere que o grupo enfim não mudou tanto.

Nos anos talibãs, quando o abrigo dado a Osama bin Laden durante a preparação do 11 de Setembro causou a derrubada do grupo pelas mãos ocidentais, mulheres eram relegadas a papéis domésticos —não podiam estudar e raramente tinham atendimento médico.

Agora, o Talibã liberou o estudo, desde que separado de homens. Desde quinta (2), há protestos pontuais de mulheres em Cabul e outras cidades, a maioria sendo dispersado com mais ou menos violência. Nesta quarta, talibãs usaram chicotes para afastar mulheres e jornalistas em um ato no interior do país.

O ministro do Interior do novo governo, responsável pela segurança interna, é um terrorista com um prêmio de US$ 10 milhões na cabeça posto pelos americanos, Sirajuddin Haqqani.

Os EUA, que vêm sendo fustigados pelos rivais China e Rússia devido tanto à ocupação quanto pela retirada desastrada do país asiático, continuam tentando encontrar uma resposta coerente à questão acerca de seu relacionamento com o Talibã.

A área militar do governo já disse que poderá cooperar contra inimigos comuns, como o grupo terrorista Estado Islâmico. Nesta quarta, o secretário de Estado, Antony Blinken, chegou à Alemanha para debater com seu colega Heiko Maas o tema.

Ambos querem que as decisões sobre Afeganistão saiam de um colegiado de 20 países com interesses na região, dentro da esfera ocidental. Do lado de lá, China, Rússia, Irã e outros países farão uma reunião nos dias 16 e 17 para debater sua resposta —Pequim lidera o movimento de aceitação dos talibãs.

Ainda assim, ante os movimentos iniciais do grupo no poder, a chancelaria chinesa reiterou nesta quarta que o Talibã precisaria "ouvir mais", numa sinalização de que seu apoio é condicional —quanto mais um eventual reconhecimento diplomático.

A União Europeia foi na mesma linha, embora ambos mantenham a esperança de que a necessidade por fundos para governar possa moderar os fundamentalistas na prática.

Sem inimigos internos relevantes depois da virtual subjugação do vale rebelde de Panjshir, o Talibã pode até namorar a ideia de se fechar, mas isso parece de fato muito difícil.

Em Abu Dhabi, o ex-presidente afegão Ashraf Ghani pediu desculpas também nesta quarta por ter fugido de Cabul quando as tropas talibãs cercaram a cidade. "É com profundo pesar que meu próprio capítulo terminou com uma tragédia similar a de meus antecessores, sem garantir a estabilidade ou a prosperidade do Afeganistão. Peço desculpas."

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.