Descrição de chapéu Guerra na Ucrânia Rússia

Guerra da Ucrânia deixa ao menos 9 mortos em 14 ataques contra unidades de saúde, diz OMS

Entidade relata ofensivas envolvendo artilharia pesada, como tanques, bombas e morteiros

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Bombardeios e explosões na guerra na Ucrânia atingiram ao menos 14 hospitais e outros equipamentos de saúde no país, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta segunda (7). Os ataques deixaram ao menos nove mortos, dos quais sete eram profissionais de saúde, e 16 feridos, informou a entidade.

Ao todo, 16 ataques foram reportados, mas a OMS não conseguiu confirmar dois deles, que teriam ocorrido já no primeiro dia da invasão russa, em 24 de fevereiro. Segundo o relatório divulgado pelo sistema de vigilância da OMS, os demais episódios ocorreram até a última quinta-feira (3).

Ambulância vista através do vidro danificado de um veículo atingido por tiros em Kiev, capital da Ucrânia - Jedrzej Nowicki/Agencja Wyborcza - 18.fev.22/Reuters

A entidade classificou a maior parte dos ataques como fruto de "violência com artilharia pesada", o que inclui ações que envolvem tanques, mísseis, bombas e morteiros. Outras ofensivas, entre as categorias usadas pela OMS, envolveram armas individuais, como facas, tijolos, granadas e artefatos explosivos improvisados.

Não foram divulgadas informações sobre os locais exatos dos hospitais e equipamentos atingidos nem sobre os responsáveis pelos ataques. No domingo (6), o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, havia dito em uma publicação no Twitter que a organização estava investigando uma série de ataques contra a infraestrutura de saúde da Ucrânia, com "múltiplas mortes e lesões".

"Ataques a instalações ou a profissionais de saúde rompem a neutralidade médica e são violações do direito internacional humanitário", afirmou Adhanom.

Além do dano a unidades e equipamentos de saúde, a Ucrânia já sofreu prejuízos bilionários desde o início da guerra. O ministro da Infraestrutura, Oleksander Kubrabov, divulgou nesta segunda um balanço que estima os estragos em US$ 10 bilhões (R$ 50,9 bi).

Segundo ele, a maior parte das estruturas prejudicadas deve ser reparada em até um ano, mas alguns danos podem demandar o dobro de tempo.

As perdas humanas entre civis da Ucrânia também continuam crescendo. O relatório mais recente da Organização das Nações Unidas (ONU) contabiliza pelo menos 406 civis mortos, entre os quais estão 27 crianças. O número de óbitos, no entanto, pode ser ainda maior, visto que o levantamento inclui apenas as mortes que a ONU conseguiu confirmar oficialmente.

Em reunião do Conselho de Segurança nesta segunda, o representante ucraniano afirmou, citando o Ministério da Saúde do país, que 34 hospitais foram destruídos por bombardeio russo até o domingo (6). Além disso, seis médicos teriam sido mortos e 11 feriados.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.