Descrição de chapéu União Europeia Itália

Ultradireita avança, mas centro mantém liderança no Parlamento Europeu

Projeções indicam que o Partido Popular Europeu deve conquistar maior número de assentos no Legislativo da UE

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Milão (Itália)

O bloco de centro, formado por centro-direita, centro-esquerda e liberais, deverá manter a maior quantidade de assentos do Parlamento Europeu, segundo as projeções divulgadas pela própria Casa. Os números indicam que os grupos de ultradireita devem conquistar mais espaço, mas sem desbancar a atual maioria.

De acordo com a última projeção divulgada, o Partido Popular Europeu (EPP, na sigla em inglês), de centro-direita, deverá conquistar 189 cadeiras, nove a mais que em 2019, e permanecerá como o maior grupo do Legislativo.

Uma mulher sorridente acena para a plateia em um evento de campanha, cercada por apoiadores jovens segurando placas com mensagens pró-União Europeia. O ambiente é festivo e as cores azul e amarelo predominam, refletindo o tema da União Europeia.
A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, fala durante evento na sede do Partido Popular Europeu, no dia das eleições para o Parlamento Europeu em Bruxelas, Bélgica - Piroschka van de Wouw - 9.jun.24/Reuters

O segundo maior vencedor devem ser os socialistas (S&D), de centro-esquerda, que poderão obter 135 assentos, em queda de 19 vagas em relação a cinco anos atrás. Em terceiro, ficam os liberais do Renew, que perderam 25 cadeiras em cinco anos e devem ficar com 83 assentos.

Os três são as maiores forças de apoio da atual presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que faz parte do EPP e tenta a reeleição. No total, essa coalizão poderá somar 409 cadeiras, garantindo em teoria uma maioria relativamente confortável do total de 720 assentos.

No entanto, a hegemonia do centro pode ser abalada pelo crescimento da ultradireita. O grupo dos Conservadores e Reformistas (ECR), liderado pela primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, deve conquistar 72 vagas, alta de 9 em relação a 2019.

Outro representante de peso da ultradireita, o Identidade e Democracia (ID), que inclui o partido da francesa Marine Le Pen, deve ficar com 58 cadeiras. Semanas antes da votação, o grupo expulsou a sigla alemã de extrema direita Alternativa para a Alemanha (AfD), o que havia diminuído o tamanho da bancada inicial de 2019 de 73 para 49.

O bom desempenho de Le Pen causou um terremoto na política francesa, levando o presidente Emmanuel Macron, que obteve menos da metade do percentual da adversária, a dissolver a Assembleia Nacional e convocar eleições antecipadas para o Legislativo francês.

Juntas, as bancadas de Meloni e Le Pen podem somar 128 cadeiras, o que as posicionaria em pé de igualdade com os socialistas. Também poderiam atrair o apoio de políticos do mesmo espectro, como o húngaro Viktor Orbán, que não pertence hoje a nenhum grupo e ficou em primeiro em seu país, com 43,7%, conquistando dez cadeiras.

Especialistas, no entanto, apontam que a união de forças na ultradireita pode esbarrar em divisões internas, especialmente em relação ao entendimento de como trabalhar com as instituições da UE e em temas de política externa, como a Guerra na Ucrânia.

"Nenhuma maioria poderá ser formada sem o EPP. Nós iremos construir um bastião contra os extremos da esquerda e da direita", disse Von der Leyen, ao comentar os resultados. Em busca de ampliar seu apoio no Parlamento, ela pode buscar alianças, mesmo que informais, com o grupo de Meloni, que tem adotado atitude pragmática em relação à UE, depois de sustentar um discurso eurocético no passado.

Uma derrota expressiva foi sofrida pelos Verdes, cuja bancada deverá diminuir em cerca de 21 unidades, indicando o enfraquecimento da onda verde que marcou a votação anterior.

Desde a última quinta (6) e até este domingo (9), cerca de 373 milhões de europeus estavam aptos a votar nos 27 países que formam a União Europeia.

A definição das 720 cadeiras é proporcional ao tamanho da população de cada país. Alemanha (96), França (81), Itália (76), Espanha (61) e Polônia (53) são os que elegem mais eurodeputados.

Com sede em Estrasburgo, na França, e em Bruxelas, na Bélgica, o Parlamento Europeu é a única instituição do bloco que tem eleição direta. Junto com os governos dos países-membros, tem como funções a negociação e aprovação de leis que são aplicadas aos cerca de 450 milhões de cidadãos.

Os eurodeputados aprovam o orçamento da UE e o nome do presidente da Comissão Europeia, braço executivo do bloco.

Temas importantes para os próximos cinco anos serão o reforço e uma maior integração na área da defesa, o financiamento da transição verde e o alargamento do bloco.

Após a confirmação dos resultados finais, os grupos políticos se reunirão no Parlamento para a formação das bancadas. Os encontros estão previstos para ocorrer entre 18 de junho e 3 de julho. Cada grupo deve reunir ao menos 23 integrantes e representantes de ao menos sete países.

A nova legislatura deve ter início no meio de julho, quando o novo presidente da Casa deve ser eleito. O cargo é ocupado hoje pela maltesa Roberta Metsola (EPP).

Embora as negociações informais já estejam em andamento, a primeira reunião oficial do Conselho Europeu, que reúne os governantes dos 27 países, está marcada para 17 de junho, em que serão debatidos candidatos para a presidência da Comissão Europeia e do próprio Conselho.

Caso Von der Leyen seja escolhida pelo Conselho, seu nome deverá ser aprovado em votação secreta pelo Parlamento, prevista para ocorrer até a metade de setembro.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.