Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
08/08/2010 - 13h54

Lula foi essencial na mediação da crise com Venezuela, diz embaixador colombiano

Publicidade

DA EFE, EM BUENOS AIRES (ARGENTINA)
DE SÃO PAULO

O embaixador colombiano em Buenos Aires (Argentina), Álvaro García Jiménez, disse neste domingo que a intervenção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi fundamental em busca de uma solução ao conflito diplomático entre a Colômbia e a Venezuela.

Jiménez disse à emissora Rádio 10, de Buenos Aires, que Lula "serviu como ponte para resolver as diferenças" entre os dois países vizinhos.

A crise entre Bogotá e Caracas teve origem no dia 22 de julho, quando o representante colombiano na OEA (Organização dos Estados Americanos), Luis Alfonso Hoyos, disse que a Venezuela dava refúgio a líderes das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e do Exército de Libertação Nacional (ELN) em seu território. Horas depois, Chávez rompeu relações diplomáticas com Bogotá e reforçou a segurança na fronteira.

Jiménez elogiou ainda o trabalho "sério e silencioso, com muito bom ânimo" do secretário-geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), o ex-presidente da Argentina Néstor Kirchner, acrescentando que ele foi entusiasta e criativo para aproximar as partes.

Tanto Kirchner quanto Lula mantiveram uma reunião com o presidente venezuelano em Caracas, antes de assistir no sábado à posse de Juan Manuel Santos como novo presidente colombiano. Antes da cerimônia, afirmava-se que o brasileiro levaria uma proposta do venezuelano a Santos.

Para uma certa decepção de Lula e vários dos líderes regionais presentes, que passaram as últimas semanas oferecendo-se para mediar a crise, Santos foi categórico ao dizer que prefere o diálogo direto.

"E que o diálogo ocorra o antes possível, que seja um diálogo com respeito, e de firmeza contra a criminalidade", afirmou.

Segundo o embaixador Jiménez, "Chávez escutou o que foi dito por Santos no dia da posse e está disposto a dialogar, portanto, tudo indica que haverá boas notícias".

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página