Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/02/2011 - 09h37

Polícia tenta impedir manifestação no centro de Argel

Publicidade

DA EFE, EM ARGEL

Centenas de policiais nas calçadas e nas ruas próximas à praça Primeiro de Maio, no centro de Argel, capital da Argélia, tentam impedir que a população inicie uma manifestação reivindicando reformas no poder.

A polícia argelina tenta dispersar os grupos de centenas de pessoas e impedir que alcancem a praça.

Entre as palavras de ordem dos manifestantes estão "poder assassino", "abaixo a opressão" e outras palavras contra o regime e o presidente da Argélia, Abdelaziz Bouteflika.

Fontes da Liga Argelina de Direitos Humanos informaram que o serviço de trens nos arredores de Argel foi cortado e policiais instalaram controles policiais nas estradas para impedir a chegada de muitos cidadãos à capital.

O presidente da Liga Argelina de Direitos Humanos, Mustafá Buchachi, disse que a polícia o havia impedido até o momento chegar à praça do Primeiro de Maio.

No entanto, o presidente de honra desta Liga, Ali Yahia Abdennur, de 91 anos, a figura mais respeitada na coordenação da manifestação, conseguiu chegar às imediações da praça e lidera neste momento um dos grupos que tenta chegar à praça.

Abdennur estimou a presença de mais de 40 mil policiais na praça.

A Coordenação pela Mudança e a Democracia, grupo que convocou o protesto, é formada por organizações da sociedade civil, sindicatos e alguns políticos.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página