Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
29/04/2011 - 14h15

Forças da Síria matam ao menos 15 manifestantes em Deraa

Publicidade

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

As forças de segurança da Síria dispararam contra milhares de manifestantes oposicionistas na cidade Deraa, epicentro de uma revolta de seis semanas contra o ditador Bashar al-Assad. Segundo testemunhas citadas pelas agências de notícias, ao menos 15 manifestantes morreram e outros 50 ficaram feridos.

O grupo oposicionista "A revolução síria contra Bashar al Assad" condenou o que classificou de um massacre cometido pela Guarda Republicana síria em Deraa.

Segundo o grupo, os manifestantes foram mortos quando tentavam romper o cerco policial em torno de Deraa. Já um médico citado pela agência de notícias Reuters diz que as forças de segurança dispararam na tentativa de invadir a cidade, que estaria sob controle dos oposicionistas.

"Eles atiraram nas pessoas no portão oeste de Deraa, na região de Yadoda, quase três km do centro da cidade", disse. Outro morador contatado pela agência de notícias Reuters disse que viu dezenas de feridos sendo resgatados por manifestantes.

France Presse
Manifestantes oposicionistas se reúnem para Dia de Fúria em Banias; forças sírias reprimem atos com violência
Manifestantes oposicionistas se reúnem para Dia de Fúria em Banias; forças sírias reprimem atos com violência

Segundo a agência de notícias Associated Press, houve violência em outras cidades além de Deraa, deixando um total de 24 mortos.

Os protestos contra o governo se espalharam para outras partes do país, nas cidades de Homs, Hama, Banias, Qamishly e Harasta, um subúrbio de Damasco. As manifestações fazem parte de um Dia de Fúria convocado para esta sexta-feira contra o regime de Assad, que tem reprimido com dureza a oposição.

Milhares de manifestantes em outras cidades aproveitaram os protestos para pedir apoio aos moradores de Deraa, uma cidade de 120 mil onde os protestos se originaram em 18 de março.

"As pessoas querem derrubar o regime", gritavam os manifestantes, segundo testemunhas.

O canal de TV Al Jazeera exibiu imagens da vila de Mahala, perto de Deraa, além de imagens de Banias e Homs. Os manifestantes agitavam bandeiras da Síria e banners dizendo: "não ao cerco a Deraa", "um poderoso país é onde as pessoas são livres" e "nós somos defensores da paz e liberdade, não sabotadores".

Em Banias, 10.000 pessoas estavam nas ruas no início da tarde. Um morador, Abdel Karim, disse que as manifestações na cidade começaram de duas mesquitas e atraíram moradores de localidades vizinhas.

Manifestantes se reuniram também em Midan, um bairro de Damasco, informaram militantes à AFP. Em Saqba, perto da capital, uma testemunha afirmou ter visto milhares de habitantes nas ruas para pedir a queda do regime.

Na cidade industrial de Homs, milhares de pessoas gritavam "abaixo o regime", segundo vídeos transmitidos ao vivo por militantes pela internet.

Em Deir Ez Zor, 460 km ao nordeste de Damasco, duas manifestações foram reprimidas com violência quando mil manifestantes saíram das mesquitas de Al-Faruk e Al-Othman.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Voltar ao topo da página