Descrição de chapéu Opinião Tendências Debates

Tarsilinha do Amaral: Tarsila para o mundo

A pintora bebeu de outras culturas, as digeriu e se expressou sendo brasileira

Tarsilinha do Amaral

O Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA) inaugurou neste domingo (11) a mais expressiva exposição de Tarsila do Amaral (1886-1973) já realizada no exterior. Não é exagero afirmar que as 120 peças reunidas em "Inventing  the  Modern  Art  in  Brazil" apresentam a artista para o mundo.

Muito se tem feito para tornar reconhecido o legado de Tarsila , primeiro entre os brasileiros, por meio de exposições, mostras, publicações e licenciamentos de marca.

Hoje é comum ver crianças do Brasil inteiro reconhecerem suas obras. Pelas cores e formas orgânicas, Tarsila estabelece um diálogo quase  que imediato com o público infantil.

Tarsila do Amaral, em fotografia de meados da década de 1920
Tarsila do Amaral, em fotografia de meados da década de 1920 - Divulgação

A mostra nova-iorquina oferece a possibilidade de novas leituras para o trabalho desta artista que, acima de tudo, amou seu país. Desejou ser a pintora do Brasil.

Uma mulher que no início do século passado foi um dos principais nomes do movimento modernista, ao lado de Oswald e Mário de Andrade, inspirando e pensando a grandiosidade do próprio país. Embora discreta, inspirou também o comportamento feminino de vanguarda, por meio de seus atos.

Pela arte, bebeu de outras culturas, as digeriu e se expressou sendo brasileira, sendo mulher, sendo antropófaga. Filha de aristocratas, ousou transitar fora da própria bolha social, escutando e reconhecendo a pertinência de um olhar político inclusivo. Essa postura se refletiu em quadros como "Operários".

Tarsila ousou viver fora das linhas que naturalmente a condicionariam como mulher, como mulher brasileira, como mulher brasileira e filha de aristocratas.

Em seu diário afetivo, colou a fotografia de uma mulher negra que trabalhava para sua família, referência inquestionável para uma de suas obras mais importantes, A Negra, talvez a mais festejada na abertura da exposição nos EUA.

Entre o branco e o preto, Tarsila optou pelas cores e mostrou o país por meio do colorido caipira e das temáticas rural e urbana brasileiras.

Tarsila foi mulher. Criou a tela "Abaporu" para dar de presente de aniversário a Oswald de Andrade, seu marido na época. Uma imagem que levou à criação do Manifesto Antropófago, fonte inesgotável de inspiração para a arte brasileira.

Ainda há muito a se descobrir na obra de Tarsila do Amaral. Por isso, a abertura da exposição no MoMA é mais um marco para a arte e os artistas brasileiros. Como representante dos direitos da família, afirmo que é nossa missão fazer Tarsila ser reconhecida em todo o mundo.

Nesse movimento, há sete anos, quando estive em Chicago, sugeri uma exposição ao The Art Institute of Chicago. Na época, a curadora, Steephanie DAlessandro, afirmou que só a faria com apoio de Luis Peréz-Oramas, então curador no MoMA. Hoje celebramos esse lançamento ao lado desta dupla de inquestionável conhecimento da arte moderna latino-americana.

Outros conteúdos sobre Tarsila do Amaral, facilitados pela família, estão por chegar ao grande público, inclusive no cinema. Que a trajetória vanguardista desta mulher brasileira possa seguir motivando artistas, mulheres e homens em todo o mundo.

TARSILINHA DO AMARAL é advogada, escritora e representante dos direitos da família da artista plástica Tarsila do Amaral, de quem é sobrinha-neta 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.