Descrição de chapéu

Estado de discórdia

Lei aprovada por Parlamento israelense desestimula esforços por uma melhor convivência

Após confronto na fronteira, forças israelenses bombardearam Gaza
Após confronto na fronteira, forças israelenses bombardearam Gaza - Said Khatib/AFP

Não fossem já bastantes e significativos os percalços que distanciam o conflito israelo-palestino de um fim, eis que surge mais um fator a desestimular esforços por uma melhor convivência.

O Parlamento de Israel aprovou na quinta-feira (19), por 62 votos a 55, uma lei que define o país como “Estado-nação do povo judeu”, e somente a este se faculta o direito de autodeterminação. Ademais, estabelece o hebraico como única língua oficial; o árabe terá “status especial” nas instituições estatais.

De modo compreensível, cidadãos árabes-israelenses —que correspondem a cerca de 20% da população, ou 1,8 milhão de pessoas— alertaram para o risco de se institucionalizarem práticas discriminatórias. Esse grupo se queixa de tratamento diferenciado em relação à maioria judaica no acesso a serviços como saúde e educação.

Outros dois artigos da lei contribuem para agravar o quadro conturbado. Trata-se de reconhecer Jerusalém como capital indivisível de Israel e de conferir “interesse nacional” às colônias em territórios originalmente destinados a um Estado palestino, segundo o plano de partilha aprovado pelas Nações Unidas em 1947.

Essas medidas, cumpre dizer, já eram adotadas na prática pelo primeiro-ministro conservador Binyamin Netanyahu, e a decisão de Donald Trump de transferir a embaixada americana de Tel Aviv para Jerusalém o fortaleceu.

A despeito de ampla recriminação internacional, o líder israelense tem dado aval a novas construções em assentamentos judaicos —os colonos são uma importante base de apoio de seu governo.

Por mais ressalvas que se possam fazer em relação a Netanyahu, o outro lado da disputa tem parcela considerável de culpa pelo cenário moribundo das negociações em prol da solução de dois Estados, a qual esta Folha apoia.

Não há consenso mínimo entre as lideranças palestinas, cindidas entre Fatah e Hamas. Este, no comando da faixa de Gaza, não só se recusa a reconhecer o direito de existência de Israel como explora o ressentimento da população local para instigá-la a atacar o vizinho.

Por essas razões, episódios como o desta sexta-feira (20), em que forças israelenses bombardearam Gaza após um confronto com supostos membros do Hamas na fronteira, tornaram-se quase rotineiros.

Sob tal realidade, qualquer argumento sobre a impossibilidade de dialogar será plausível —o que não justifica, entretanto, que as duas partes perpetuem a inércia atual.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.