Descrição de chapéu O que a Folha Pensa

Derrota do aborto

Com decisão do Senado argentino, prevaleceu a perspectiva proibicionista

Ativistas a favor da legalização do aborto lamentam decisão do Senado argentino, que rejeitou um projeto que liberaria o procedimento até a 14ª semana de gestação
Ativistas a favor da legalização do aborto lamentam decisão do Senado argentino, que rejeitou um projeto que liberaria o procedimento até a 14ª semana de gestação - Eitan Abramovich/AFP

Depois de ter passado pela Câmara dos Deputados, o projeto que legalizaria o aborto na Argentina foi derrotado no Senado daquele país por 38 votos a 31.

Embora o cenário para a aprovação tenha se mostrado propício, prevaleceu a perspectiva proibicionista, numa região —a América Latina— em que poucas nações adotaram a medida.

Nesta parte do mundo, apenas Uruguai, Cuba e Guiana aceitam o aborto de maneira ampla, enquanto a grande maioria restringe a autorização do procedimento a casos específicos, como risco de morte da mulher ou estupro. As exceções são Nicarágua e El Salvador, onde a proibição é total.

A discussão travada na Argentina trouxe à luz aspectos pouco usuais, como o apoio do presidente Mauricio Macri, de centro-direita —em contraste com a gestão esquerdista de Cristina Kirchner, que se opunha à proposta.

Apesar da derrota, o debate parece ter colocado a questão em outro patamar, além de ter provocado repercussões importantes em outros países. O próprio Macri já declarou que tentará retornar ao tema —pretende incluir a despenalização do aborto no projeto de reforma do Código Penal que enviará ao Congresso neste mês.

No Brasil, o assunto está na pauta do Supremo Tribunal Federal, que após uma fase de audiências públicas vai examinar ação apresentada pelo PSOL para descriminalizar o procedimento, caso se realize até a 12ª semana de gravidez.  

Além de encerrar aspectos morais e religiosos, o aborto é sem dúvida uma decisão que envolve traumas e dilemas íntimos. Num mundo ideal deveria ser evitado por meio de precauções contra a gravidez indesejada. Políticas públicas com esse objetivo poderiam, de fato, contribuir para reduzir sua ocorrência e os riscos inerentes.

Esta Folha não considera, entretanto, que a legislação deva tratar como criminosas mulheres que passaram por essa experiência.

A questão precisa ser avaliada pela ótica da saúde pública, levando em conta, especialmente, a realidade dos abortos praticados por mulheres pobres, não raro em condições totalmente inadequadas. 

Cabe reconhecer, de todo modo, a legitimidade de teses contrárias e sua ampla difusão na sociedade. Recomenda-se, assim, que se submeta o tema a consulta popular, após debate plural e transparente.

editoriais@grupofolha.com.br

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.