Descrição de chapéu O que a Folha Pensa

Conversa de botequim

Bolsonaro dá declarações desencontradas sobre Previdência e impostos

Presidente Jair Bolsonaro da entrevista coletiva na Base Aérea de Brasília
O presidente Jair Bolsonaro concede entrevista coletiva na Base Aérea de Brasília - Rubens Valente/Folhapress

O estilo informal e espontâneo certamente contribuiu para o sucesso eleitoral de Jair Bolsonaro (PSL). Em menos de uma semana na Presidência, porém, manifestações simplórias e desencontradas na área econômica provocaram alarmante impressão de improviso e descompasso com sua equipe.

Foram espantosas, no primeiro exemplo, a superficialidade e a imprecisão com que abordou a reforma da Previdência, tema ao mesmo tempo explosivo politicamente e essencial para o êxito do governo.

Em entrevista ao SBT, na quinta-feira (3), afirmou de modo confuso que as idades mínimas para a aposentadoria seriam de 62 anos para os homens e 57 para as mulheres, a serem atingidas até o final de seu mandato.

Tais parâmetros não constam de nenhuma proposta ou estudo técnico conhecido. Até onde se sabe, ou se sabia, o ministro Paulo Guedes, da Economia, pretendia aproveitar o projeto do governo Michel Temer (MDB), que na sua versão atual estabelece 65 e 62 anos.

Bolsonaro tampouco foi claro a respeito das regras de transição para os segurados que já estão no mercado e sobre a que regime previdenciário se referia --se ao dos trabalhadores da iniciativa privada ou ao dos servidores públicos.

A margem para interpretação de suas palavras é tão ampla que nem mesmo há como afirmar se a reforma pretendida será mais dura ou mais branda que a de Temer. Talvez nem haja maior diferença.

Nova trapalhada se deu no dia seguinte, desta vez com impostos —outro assunto indigesto e fundamental. Bolsonaro anunciou que assinara, a contragosto, um aumento do IOF (sobre operações financeiras) para compensar subsídios às regiões Norte e Nordeste aprovados pelo Congresso.

Afirmou ainda, sem maiores detalhes, que poderia haver redução da alíquota mais alta do Imposto de Renda das pessoas físicas, de 27,5% para 25%, afetando os contribuintes com renda mensal superior a R$ 4.664,68.

No episódio, o presidente passou pelo constrangimento de ter sido desmentido tanto pelo chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, como pelo secretário da Receita Federal, Marcos Cintra. Nem mesmo se entendeu, até o momento, o motivo da confusão.

Ainda na sexta-feira (4), Bolsonaro manifestou preocupação com o acordo negociado entre a Boeing e a Embraer —duas empresas privadas, embora o governo brasileiro ainda mantenha alguns poderes decisórios na ex-estatal. Foi o bastante para uma queda das ações.

Já é grave o bastante que declarações do gênero sejam motivadas por amadorismo imprudente. Com efeito, o mandatário não parece atentar para o impacto do que diz agora no comando do Executivo.

Pior será, no entanto, se estiverem a aflorar os impulsos corporativistas que exibiu ao longo de toda a sua carreira parlamentar, em flagrante contradição com a agenda liberal ambiciosa abraçada apenas na campanha eleitoral.

editoriais@grupofolha.com.br ​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.