Descrição de chapéu O que a Folha Pensa

Novo patamar

Revelação de fatos que sugerem ligação de Flávio com suspeito de chefiar milícia agrava crise

Flávio Bolsonaro durante entrevista à imprensa no Jardim Botânico, no Rio, em outubro do ano passado
Flávio Bolsonaro durante entrevista à imprensa no Jardim Botânico, no Rio, em outubro do ano passado - Filipe Cordon/Folhapress

Se já era desconfortável a situação do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), ela ficou ainda pior com a revelação de que seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro mantinha como funcionárias a mãe e a mulher de um ex-policial militar suspeito de comandar uma milícia na zona oeste carioca.

A descoberta põe a crise em outro patamar porque não se trata mais de desconfiar que Flávio, como deputado estadual, integrasse um esquema banal de desvio de recursos públicos. Não que fosse um pecadilho perdoável, mas pelo menos o escândalo reproduziria práticas há muito conhecidas na política.

Nada tem de banal, porém, a ligação de um legislador brasileiro com um sujeito apontado como chefe de uma das quadrilhas mais perigosas do Rio, acusada de sequestrar, torturar e assassinar pessoas, além de explorar mercado imobiliário clandestino e extorquir moradores de comunidades carentes.

Tampouco é prática conhecida, e muito menos aceitável, a proximidade do próprio presidente da República com gente que parece pertencer a uma organização criminosa armada. Pois, por mais que o governo federal tente atribuir apenas ao filho de Jair Bolsonaro (PSL) qualquer responsabilidade nesse caso, há indícios de sobra a apontar na direção do pai.

Se por mais não fosse, Fabrício Queiroz, pivô dessa teia deplorável, é amigo de longa data não de Flávio, mas do atual presidente

Entre as movimentações milionárias em sua conta que chamaram a atenção do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) está um cheque de R$ 24 mil repassado à primeira-dama, Michelle Bolsonaro. O presidente se encarregou de afirmar que o montante chegava a R$ 40 mil e que o dinheiro se destinava a ele.

O mesmo Queiroz, cuja lista de atividades indecorosas não para de crescer, estaria por trás da contratação da mãe e da mulher do ex-PM suspeito de ser miliciano —e isso de acordo com Flávio. A crer na declaração, o senador eleito confessou ter delegado a seu motorista o poder de decidir como usar recursos do contribuinte fluminense.

Não é preciso ser muito cético, no entanto, para conjecturar que ele tenha se disposto a assumir o que soa como culpa menor para tentar esconder algo mais grave: um envolvimento profundo com indivíduos da pior espécie. A esta altura, em nada ajudam a família Bolsonaro os inúmeros discursos feitos em defesa de milícias

No caso de Flávio, há ao menos outro episódio em que seu nome se misturou com o de gente dessa laia. No ano passado, a polícia desbaratou uma quadrilha especializada em extorsões. Entre os presos estavam dois ex-PMs que teriam atuado como segurança em eventos do então candidato a senador.

Diante do acúmulo de fatos incompatíveis com o discurso moralizador do presidente, seria de esperar que ele aproveitasse Davos para apresentar a sua versão.

Em vez disso, cancelou a entrevista coletiva que daria, e o fez sob justificativas distintas —a última foi a troca da bolsa de colostomia, a primeira foi a “abordagem antiprofissional da imprensa”.

Antiprofissional é, numa democracia, o presidente imaginar que uma situação dessa gravidade possa ficar sem explicações convincentes.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.