Descrição de chapéu
Jailson de Souza e Silva

Hostilidade versus convivência

Qual dos paradigmas definirá as nossas vidas?

Jailson de Souza e Silva, fundador do portal Observatório de Favelas - Raquel Cunha - 15.jun.16/Folhapress
Jailson de Souza e Silva

Um dos principais legados da Revolução Francesa para o mundo ocidental foi a tríade liberdade, igualdade e fraternidade. Não é difícil entender nela a presença das duas primeiras palavras, pois ambas expressavam as posições dos que defendiam o primado da igualdade sobre a liberdade individual e vice-versa.

Todavia, por que a “fraternidade”? E qual seria a o sentido dessa palavra no contemporâneo? O que os legisladores franceses perceberam era que a única chance de construir as bases institucionais, republicanas e democráticas que permitisse à sociedade francesa lidar com aquelas posições tão extremadas era partir do respeito às regras do jogo civilizatório, à humanidade das pessoas. O reconhecimento do direito do divergente existir deveria orientar a construção dos caminhos próprios de cada grupo sociopolítico. Nos dias de hoje, entendo que o sinônimo de “fraternidade” seria “convivência”.

Apenas ela nos permitirá enfrentar os duros momentos que polarizam nosso país, dentre muitos outros.
Isso porque temos assistido ao crescimento do que denomino “paradigma da hostilidade”. Apesar de grande parte dos eleitores de Jair Bolsonaro não ter posições extremas, o voto deles foi orientado por essa premissa. Nela, a pessoa identifica como hostis os espaços do mundo social públicos, para além do seu âmbito de controle e confiança (familiar, igreja, condomínio etc.). 

Na mesma perspectiva, ela tende a “monstrualizar” —no caso, não reconhecer sua humanidade— os que são diferentes, em particular alguns seres sociais específicos: usuários de crack, presidiários, transexuais, traficantes de drogas e jovens negros residentes nas favelas. Por isso, a defesa do encarceramento massivo, a banalização da violência letal e a defesa do uso de armas pessoais. São posições derivadas da insegurança permanente, do temor da “desordem social” e dos grupos sociais empobrecidos.

O contraponto ao “paradigma da hostilidade” é o da "convivência". Ele reconhece o mundo social como o espaço da diversidade, da diferença e da pluralidade. Logo, o Estado democrático de Direito, a valorização da dignidade humana e a garantia dos direitos fundamentais são as bases para garantir o direito pleno de todos e todas na sociedade. Pessoas que adotam essa perspectiva na vida tendem a viver o espaço público como oportunidades de encontro e convívio. E não de passagem, disputa ou conflito.

Os grupos ultraconservadores precisam disseminar a hostilidade com o “outro” para se fortalecerem. Nosso desafio nos tempos duros que vivemos, portanto, é disseminar uma pedagogia centrada na valorização dos encontros fraternos, em nossas diferenças. Ela que nos permitirá construir novas referências humanas, democráticas e afetivas para superarmos o ódio e a intolerância que se disseminam como uma epidemia em nossos espaços de vida.

Nesse sentido, cabe a cada um se perguntar: estou pautado na vida pelo paradigma da hostilidade ou da convivência? A resposta define suas escolhas nos tempos presentes.

Jailson de Souza e Silva

Fundador do Observatório de Favelas e diretor-geral da UNIperiferias/IMJA (Instituto Maria e João Aleixo)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.