Descrição de chapéu
Vinod Thomas

A responsabilidade pela destruição ambiental

Investir em capital natural é a fórmula para crescimento duradouro

Vinod Thomas

A atenção mundial está voltada aos incêndios em florestas tropicais do mundo, no Brasil e na Indonésia. Enquanto o governo brasileiro questiona o motivo dessa obsessão pela floresta amazônica, pode-se antever maior interesse à medida que se tornarem evidentes os danos impostos aos países, os prejuízos causados à saúde em comunidades fronteiriças e o agravamento das mudanças climáticas.

A população no Brasil, assim como na Indonésia, na Bolívia, na Rússia e nos Estados Unidos, deve exigir políticas de crescimento sustentáveis. Não se constrói uma economia sólida embutindo “externalidades negativas” causadas pela desregulamentação ambiental. A tradição judaico-cristã dá o exemplo na Bíblia, recomendando que a terra descanse no sétimo ano de produção para regenerar suas capacidades.

O professor Vinod Thomas, ex-vice presidente sênior do Banco Mundial - Marlene Bergamo - 21.mai.09/Folhapress

Em 2019 a escala de incêndios aumentou na Amazônia brasileira, na Indonésia e na Bolívia, assim como na Sibéria e até no Alasca. Já vivemos um ciclo vicioso, com incêndios agravando a mudança climática, o que os torna mais violentos. Mais surpreendente é o fato de vermos o governo brasileiro enfraquecer regulamentações ambientais, favorecendo interesses de quem provoca os incêndios.

Um fator adicional transforma essas queimadas em crime contra a humanidade. Enquanto os recursos no interior das fronteiras de um país pertencem à nação soberana, os resultados são imprevisíveis quando os incêndios, motivados por interesses em remover a floresta e pela postura ambiental contrária de governos, prejudicam a saúde das pessoas e a ecologia.  

No caso da Indonésia, as queimadas prejudicam a saúde de pessoas no Brunei, na Malásia e em Cingapura, o que as torna uma atividade criminosa. Os países vizinhos também são cúmplices quando suas empresas ampliam os incêndios. A responsabilidade é do governo indonésio quando incêndios em seu território afetam a saúde em países limítrofes. De outra parte, se as queimadas na Amazônia prejudicarem a população de vizinhos, esse crime será atribuído ao país de origem. 

Os principais emissores, China, Estados Unidos e Índia, aumentaram a queima de combustíveis fósseis nos últimos anos. O Brasil ocupa o sétimo lugar em emissões de gases de efeito estufa, e a Indonésia, o nono. As emissões resultantes do desmatamento são significativas em ambos os países.

A ONU informa que reverter o desmatamento poderá contribuir em cerca de 30% para a solução dos problemas climáticos. Cessar o desmatamento, controlar incêndios e proteger florestas devem ser resultados valorizados por compensações propostas pela ONU junto com bancos multilaterais de desenvolvimento.

O Brasil pode e deve acentuar o seu crescimento econômico. No entanto, fazê-lo à custa da destruição da ecologia e da saúde é a pior política de crescimento. Investir e valorizar o capital natural é a fórmula para um crescimento duradouro, mesmo que esta contrarie os interesses de curto prazo e os privilégios de poucos.

Vinod Thomas

Professor no Instituto Asiático de Administração e na Universidade Nacional de Cingapura; doutor em economia pela Universidade de Chicago, é autor de 17 livros, entre eles "Climate Change and Natural Disasters" (2018)

TENDÊNCIAS / DEBATES

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.