Descrição de chapéu
João Dornellas

O novo modelo de rotulagem nutricional de alimentos industrializados é adequado? NÃO

Advertência não traz informações suficientes ao consumidor

João Dornellas

Nos últimos anos, rótulos dos alimentos ganham novas abordagens em todo o mundo. Mais de 40 países já adotaram a rotulagem nutricional frontal como estratégia para facilitar a utilização das informações nutricionais pelos consumidores.

Trata-se de um modelo que traz para a parte da frente das embalagens as principais informações nutricionais do alimento, de maneira a complementar a tabela nutricional. Não existe um padrão para esse modelo, e cada um leva em conta as características de seu país, como nível educacional, cultura e padrões alimentares.

João Dornellas - Presidente-executivo da Abia (Associação Brasileira da Indústria de Alimentos)
O presidente-executivo da Abia (Associação Brasileira da Indústria de Alimentos), João Dornellas - Divulgação

Define-se, agora, o melhor modelo para o Brasil. Desde 2014 a Anvisa conduz um processo para alterar a legislação vigente, e após anos de debates com o setor produtivo e organizações da sociedade civil, foi aberta consulta pública sobre o tema.

O modelo eleito pela Anvisa é o de advertência, inspirado no canadense. O design usa o formato de lupa para sinalizar altos teores de nutrientes —açúcares adicionados, gordura saturada e sódio— na porção de 100 g ou 100 ml de alimentos e bebidas.

A Rede Rotulagem, formada por 20 entidades do setor, acredita que um modelo informativo de rotulagem nutricional é o que melhor oferece ao consumidor as informações necessárias para fazer escolhas alimentares com autonomia e consciência, de acordo com suas características, preferências individuais e no contexto de uma dieta equilibrada.

Nesse sentido, há possibilidades de melhorias no modelo apresentado pela Anvisa. Colocar advertências em alimentos não é efetivo para mudança de hábitos de consumo, conforme admitido pelo ex-ministro da Saúde do Chile Jaime Mañalich. Lá, os rótulos dos alimentos recebem um selo de advertência no formato de um octógono preto. Mañalich, ao comentar a malsucedida experiência em seu país, declarou que o “uso massivo de selos diminuiu a sensibilidade do consumidor”. Se tudo tem selo, que diferença faz?

Outro ponto de atenção é com relação à base de declaração da rotulagem, que deveria ser por porção consumida. Mais de 90% das porções regulamentadas pela própria Anvisa são menores do que 100 g ou 100 ml. Ao adotar esse critério, a proposta corre o risco de levar o consumidor ao engano. Por exemplo: uma barra de cereal de 30 gramas pode receber um rótulo dizendo que seu conteúdo é alto em açúcar, quando seria alto, de fato, em 100 g, e não em 30 g.

O modelo de advertência não traz informações suficientes para auxiliar o consumidor a avaliar e comparar os alimentos e fazer as melhores escolhas de acordo com suas necessidades pessoais e familiares. O que contribui para uma dieta equilibrada é a informação. Em vez de apenas um alerta “alto em”, defendemos o modelo com os avisos “baixo” (verde), “médio” (amarelo) ou “alto” (vermelho) —uma referência às cores do semáforo e com o percentual de VD (valor diário de quantidades de nutrientes que devemos consumir para uma alimentação saudável) para que o consumidor conheça a presença daquele nutriente na porção do alimento ou da bebida.

Sistema de semáforo para rotulagem de alimentos processados
Sistema de semáforo para rotulagem de alimentos processados - Divulgação

A indústria participa ativamente dos debates desde o início, pois a mudança no rótulo, com todas as informações essenciais na frente da embalagem e disponibilizadas de forma prática e rápida, vem ao encontro de valores importantes para o setor —transparência e diálogo—, além de beneficiar o maior interessado em todo esse processo: o consumidor brasileiro.

João Dornellas

Presidente-executivo da Abia (Associação Brasileira da Indústria de Alimentos)

TENDÊNCIAS / DEBATES

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.