Descrição de chapéu
Edna Jatobá, Eliana Sousa Silva e Jaime Crowe

As periferias em luta pelo direito à vida

União e troca de experiências podem conter violência

Edna Jatobá Eliana Sousa Silva Jaime Crowe

O conjunto de favelas da Maré, no Rio de Janeiro, tem o tamanho de uma cidade média, com 139 mil habitantes espalhados em 16 comunidades. Historicamente, a região tem sido vista pelos governos e por parte da população apenas como um local perigoso, onde o que se sobressai é a atuação de integrantes de redes ilícitas e criminosas envolvidas em confrontos armados entre si e com agentes da segurança pública. 

O resultado dessa visão distorcida é que, na Maré, como em outras periferias brasileiras, os moradores sempre precisaram lutar em defesa da própria vida. Foram muitas conquistas, como, por exemplo, uma ação civil pública em que a Redes da Maré, uma instituição da sociedade civil, articulou junto com a Defensoria Pública do Rio e outras organizações locais para que, durante as incursões policiais na região, não houvesse invasão de casas, a não ser com mandados judiciais; fossem disponibilizadas ambulâncias para eventuais feridos; e policiais estivessem identificados, entre outras garantias básicas de vida.

Membros da CNDH (Comissão Nacional de Direitos Humanos) visitam e e conversam com moradores do conjunto de favelas da Maré, na zona norte do Rio - Douglas Lopes - 04.set.19/Redes da Maré

A liminar foi concedida em 2017, com resultados imediatos. Os homicídios nas favelas da Maré despencaram, assim como as incursões da polícia, os tiroteios e os dias sem aulas nas escolas. O atual governador do Rio de Janeiro, no entanto, briga para suspender a ação civil pública da Maré

Outras periferias brasileiras vivem dramas parecidos. O Estado chega somente como força de guerra, usando violência desmedida, como se invadisse um território inimigo, deixando a população acuada entre as balas do crime e da polícia. É preciso resistir e agir contra esses abusos. As periferias brasileiras precisam trocar experiências e irem unidas para o debate sobre como garantir a vida nesses bairros. É o único caminho para sair dessa trilha suicida que vivemos.

Neste sábado (2), as Redes da Maré, do Rio de Janeiro, o Fórum em Defesa da Vida, organização das periferias da zona sul de São Paulo, e o Gabinete de Assessoria Jurídica às Organizações Populares (Gajop), de Pernambuco, entre outros grupos, promoverão em seus territórios atos em defesa de políticas que promovam a vida. 

A escolha da data se inspirou na experiência do Jardim Ângela, que reagiu depois de ter sido apontado em 1996 como o bairro mais violento do mundo. Já são 24 anos de caminhadas em defesa da vida e da articulação de uma rede em torno do Fórum em Defesa da Vida, que nesses anos pressionou pela chegada de um hospital na região, por melhorias em escolas e serviços de assistência social e para a construção de três bases de policiamento comunitário. 

Pernambuco e os demais estados do Nordeste e do Norte, que atualmente estão com elevadas taxas de homicídio, vivem a urgência de reverter o quadro, algo que já vem ocorrendo com a ajuda das organizações populares e da sociedade civil local. 

A luta pelo aperfeiçoamento das instituições democráticas na garantia dos direitos civis mais sagrados, como a vida, não deve ser apenas das periferias, mas de todo o Brasil. Juntemo-nos em mais essa luta.

Edna Jatobá

Socióloga e coordenadora-executiva do Gabinete de Assessoria Jurídica a Organizações Populares (Gajop), de Pernambuco

Eliana Sousa Silva

Educadora e diretora da Redes da Maré, no Rio de Janeiro

Jaime Crowe

Padre da Paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela (São Paulo), e um dos fundadores do Fórum em Defesa da Vida, que reúne mais de 200 entidades

TENDÊNCIAS / DEBATES

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.