Descrição de chapéu
José Francisco Kerr Saraiva

2020, o ano do perdão

Não guardar mágoas faz bem até para o coração

Nos últimos anos, a radicalização dos discursos no contexto da polarização política do Brasil criou um clima de rancor até então pouco comum à nossa população, historicamente mais identificada pelo pluralismo e tolerância. Infelizmente, as discussões partidário-ideológicas têm separado amigos, parentes e criado novas inimizades. Vale refletir sobre a oportunidade de reverter esse clima de animosidade e converter 2020 no “ano do perdão”.

Tal atitude seria muito positiva para a sociedade e para a própria política, considerando que na democracia não se tem inimigos políticos, mas adversários, todos convergindo para a defesa e a prevalência da vontade da maioria, com respeito aos direitos individuais e coletivos, às leis, às minorias e à ética como pressuposto civilizatório.

José Francisco Kerr Saraiva - Médico cardiologista e presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp)
O médico cardiologista José Francisco Kerr Saraiva, presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) - Divulgação

Além disso, perdoar é fundamental para a saúde mental e faz muito bem ao coração, segundo trabalho da psicanalista Suzana Avezum, que estudou 130 pessoas entre 2016 e 2018. A pesquisa foi apresentada no 40º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp), em junho último. 

De acordo com a inédita análise, o grupo de pessoas que já havia sofrido infarto agudo do miocárdio apresentou mais tendência a não perdoar as mágoas sofridas durante a vida. A profissional salienta que, em seu consultório, quando pode trabalhar a mágoa e a pessoa consegue perdoar, o sentimento de alívio é sensivelmente observado. Assim, vários sintomas são resolvidos. 

A hipótese é que as pessoas utilizam frases como “dói no coração” e o inconsciente vai tratar de modo literal essa descrição. Possivelmente, isso pode provocar alterações físicas no músculo cardíaco.

O estudo mostrou, segundo a especialista, a importância da prevenção, com o desenvolvimento de programas de treinamento para o perdão, inclusive por meio das religiões. Projetando socialmente o resultado do estudo, poderia ocorrer uma redução na incidência de infartos. É importante ressaltar que ainda não existe evidência científica comprovada, mas os resultados do trabalho são muito promissores.

Afinal, segundo a pesquisadora, as mágoas e ressentimentos são geradoras de estresse, que é um dos fatores de risco para doenças cardiovasculares. A manutenção da mágoa mantém a tensão, e o organismo fica exposto a essas respostas fisiológicas. O perdão propicia o relaxamento das defesas do organismo e a cura da mágoa e do corpo, conclui a psicanalista.

De fato, a ansiedade, a depressão, os problemas não solucionados e o estresse afetam a saúde cardiovascular. Assim, uma boa promessa a ser feita e cumprida em 2020 é perdoar as pessoas com as quais ocorreram desentendimentos, brigas e inimizades. Tal atitude fará muito bem ao coração e, claro, às famílias, à sociedade, à democracia e ao Brasil!

José Francisco Kerr Saraiva

Médico cardiologista e presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp)

TENDÊNCIAS / DEBATES

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.