Descrição de chapéu

Balbúrdia no Enem

Falha no sistema é nova marca para ministério envolto em cruzada ideológica

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, apresenta os resultados do Enem - Frederico Brasil/Futura Press/Folhapress

Em mais uma demonstração da inépcia que vem assolando o Ministério da Educação, o responsável pela pasta, Abraham Weintraub, admitiu no sábado (18) a existência de erros nas notas do Enem realizado no ano passado.

O problema, de acordo com o MEC, deveu-se a uma falha da gráfica que passou a imprimir a prova em 2019, após a falência da empresa que fazia o serviço anteriormente.

Verificou-se uma inconsistência entre a identificação de alguns candidatos e a respectiva cor dos exames realizados por eles (cada cor traz uma ordem diferente das mesmas questões). Em razão disso, o sistema corrigiu testes de uma versão como se fossem de outra.

A princípio, o ministério afirmou que os problemas estariam restritos à prova de matemática e ciências da natureza, feita no segundo dia do Enem. Depois, confirmou a existência de falhas também no teste do primeiro dia.

A pasta estimou inicialmente que os erros poderiam ter afetado até 1% dos participantes, ou cerca de 39 mil alunos. Depois, baixou a estimativa para cerca de 6.000.

Embora tenha divulgado dimensões diferentes do problema, o MEC manteve o início do calendário do Sisu, sistema que seleciona alunos para as universidades públicas pela nota do Enem —as inscrições começam nesta terça (21) e foram estendidas por dois dias, até domingo (26).

Mais prudente talvez fosse dirimir completamente todas as dúvidas antes de dar prosseguimento às etapas seguintes do processo. 

Mas seja qual for o universo de estudantes prejudicados, o estrago está feito. As inconsistências encontradas na correção não só abalam a imagem e a credibilidade do exame, hoje o principal meio de ingresso nas instituições federais do país, como dão margem a toda sorte de questionamentos, como a contestação das notas da redação, que não teriam sido afetadas.

Vista em perspectiva, a balbúrdia no Enem constitui apenas o problema mais recente de um ministério cujo desempenho até agora foi pífio, e que passou o último ano consumido por cruzadas ideológicas, trocas sucessivas em cargos de comando e paralisia institucional.

Não à toa, foi o fato de não ter conseguido elaborar um projeto que impediu o MEC de utilizar, em 2019, o dinheiro resgatado da Lava Jato que lhe foi repassado, ao contrário de outras seis pastas também contempladas, conforme revelou reportagem desta Folha

Em vez de explicar a inação ministerial, Weintraub preferiu atacar este jornal e um dos repórteres que assinaram o texto.

O risco agora é que tamanho despreparo venha a macular também um avanço bem-sucedido na área educacional como o Enem.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.