Descrição de chapéu

Docentes em fuga

Saída de professores da USP deveria estimular debate sobre outras fontes de financiamento

Símbolo da USP em frente a edifício na sede da universidade - Ronaldo Silva/Futura Press/Folhapress

A principal universidade do país já não cativa tanto os docentes como antes. Nos últimos três anos, a quantidade de professores da USP que pediram exoneração ou solicitaram afastamento não remunerado mais do que dobrou na comparação com o triênio anterior.

De 2017 a 2019, a instituição paulista perdeu definitiva ou provisoriamente 143 desses profissionais, ante 70 no intervalo de 2014 a 2016, conforme mostrou reportagem desta Folha.

Tal aumento foi registrado num período em que a USP esteve engolfada em gravíssima crise orçamentária, que chegou a comprometer mais de 100% de seus recursos anuais, provocando a paralisia de obras e de outros investimentos.

O último triênio viu ainda as verbas federais para a ciência despencarem para os menores patamares dos últimos 15 anos.

Somados, tais fatores decerto ajudaram a tornar mais agudo um fenômeno cujo principal combustível é a busca por melhores salários e condições de pesquisa em universidades do exterior ou em outras instituições educacionais do país.

A reportagem obteve informações de 42 dos 73 docentes que pediram demissão. Pouco mais da metade (22) migrou para instituições estrangeiras; oito passaram a lecionar em universidades federais e cinco em centros privados.

Embora a saída dos professores não seja capaz de comprometer o funcionamento de uma instituição gigantesca como a USP, ela é suficiente para levar à interrupção de projetos acadêmicos e à sobrecarga dos profissionais que ficaram.

Reverter essa tendência não é tarefa simples, mas o reitor da USP, Vahan Agopyan, acredita que a recente decisão do Supremo Tribunal Federal, que equiparou o teto dos vencimentos das universidades estaduais ao das federais, pode ajudar a minimizar o problema. Em São Paulo, o limite passará de R$ 23 mil para R$ 39,3 mil por mês.

Se os maiores salários têm, de fato, o potencial de aumentar a competitividade da instituição paulista, seus impactos no orçamento estão longe de ser desprezíveis. Estima-se que a medida trará um aumento de R$ 80 milhões a uma folha salarial que já consome quase 90% do orçamento total da universidade.

Tal situação só reforça a necessidade de um debate sério e sem preconceitos sobre fontes alternativas de receitas, como a cobrança de mensalidades de quem possa pagar e a criação de fundos capazes de arrecadar recursos privados.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.