Descrição de chapéu

Reinações de Weintraub

Ministro se esquiva de tarefas do setor com diatribes políticas e obscurantismo

O ministro Abraham Weintraub faz a barba, em imagem divulgada nas redes sociais - @AbrahamWeint no Twitter

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, tem logrado destaque em redes sociais e veículos de comunicação por diversos motivos, que não incluem, entretanto, o bom desempenho em sua função.

Depois da desastrada gestão de Ricardo Vélez Rodríguez, primeiro a ocupar a pasta no governo Jair Bolsonaro, Weintraub foi nomeado com a expectativa de que ao menos retiraria o ministério da paralisia em que se encontrava.

É verdade que ele imprimiu outra dinâmica ao cargo, mas o fez com performances patéticas, diatribes em português tortuoso na  internet e, não menos importante, decisões estapafúrdias.

Para ficar em casos recentemente noticiados, Weintraub compartilhou um texto em que censurava a Prefeitura de Fortaleza por ter colado adesivos com a marca do município em kits escolares que, segundo ele, haviam sido adquiridos com verbas federais.

“Será possível que o prefeito de Fortaleza faria isso? É verdade que ele é do partido do Ciro [Gomes], PDT?”, postou, tendo recebido pronto apoio de Bolsonaro: “Inacreditável”. Ocorre que os kits não foram comprados pelo MEC, mas com recursos do Tesouro Municipal da capital cearense.

A seguir, veio à luz o fato de o MEC ter assinado um protocolo de intenções para ampliar parcerias de universidades brasileiras com a Florida Christian University, instituição americana especializada em “coaching” religioso.

O compromisso foi firmado no ano passado com a Secretaria de Educação Superior e a Capes, órgão que coordena a pós-graduação.

Deploravelmente, a universidade cristã não tem bom histórico no Brasil. Em 2016, a Justiça Federal potiguar já decidira que a instituição havia oferecido de maneira irregular cursos de mestrado e doutorado em educação, por meio de parceria com organizações privadas brasileiras.

A Florida Christian não reúne qualificações que a credenciem a um protocolo dessa natureza. O ocorrido apenas destaca a indigência intelectual a que está entregue a educação em plano federal.

Não se trata de área em que o país possa se dar ao luxo da estagnação. Há desafios como a melhora da qualidade do ensino básico e o financiamento do ensino superior, cuja regulação passa pelo MEC. Como o chefe, Weintraub se esquiva das tarefas ao abraçar agendas ideológicas, açular militantes e promover o obscurantismo.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.