Descrição de chapéu

O subalterno

Bolsonaro tem autoridade desmoralizada e apoio considerável, mostra Datafolha

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta - Isac Nóbrega - 22.mar.20/PR

Em circunstâncias normais, um subordinado que recebesse críticas públicas como as feitas por Jair Bolsonaro ao ministro Luiz Henrique Mandetta, da Saúde, estaria a caminho da demissão. Até aqui, porém, é o presidente quem, aos resmungos, abdica de governar.

A explicação, ou grande parte dela, encontra-se no que o Datafolha mensurou entre 1º e 3 de abril: entre os brasileiros, 76% aprovam a atuação da pasta comandada por Mandetta, ante 55% na pesquisa realizada duas semanas antes.

Bolsonaro, que dedicou esse período à tentativa de sabotar as orientações do ministério e das autoridades sanitárias de todo o mundo, colhe 33% de avaliações positivas a seu desempenho na crise, basicamente o mesmo patamar anterior (35%), enquanto a reprovação a seus atos foi de 33% a 39%, no limite da margem de erro.

Note-se que Mandetta —a quem, segundo o chefe, falta reverência às batatadas presidenciais— limita-se a seguir, com boa capacidade de comunicação, os protocolos fixados pela área técnica. Os momentos mais difíceis da epidemia ainda estão por chegar, e o ministro pode ser questionado pela alarmante escassez de equipamentos.

Ainda assim, a credibilidade que conquistou espelha a ampla compreensão de que as duras medidas de confinamento social —aplicadas por estados e municípios, atacadas pelo presidente— mostram-se, sim, imprescindíveis agora. Não por acaso, recebem elevada aprovação as atuações de governadores (58%) e prefeitos (50%).

A maioria (57%) também considera que o mandatário paulista, João Doria (PSDB), acertou ao recomendar que a população não siga os palpites de Bolsonaro.

Vive-se, assim, um momento insólito do presidencialismo nacional. O chefe de Estado, cuja autoridade está desmoralizada na emergência da pandemia, ainda preserva considerável capital político. Conta, tudo indica, com o respaldo convicto de um terço do eleitorado, fatia não muito diferente da que o rejeita abertamente.

Mais da metade dos brasileiros avalia que ele ainda tem condições de liderar o país (52%, na margem de erro) e rejeita a ideia de um pedido de renúncia (59%). A despeito do que podem dar a entender os panelaços diários nas grandes cidades, o pior de seu desgaste se concentra em estratos minoritários de maior renda e escolaridade.

Bolsonaro recolhe-se a um papel subalterno na crise, a espalhar fake news, atazanar autoridades e convocar jejuns —e essa é a melhor das hipóteses por ora. Conta com o senso de responsabilidade de terceiros para que se faça o necessário. Se não impedir esse trabalho, mantém-se como um problema a ser resolvido depois.

editoriais@grupofolha.com.br

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.