Descrição de chapéu

A cor da renda

Cresce disparidade salarial entre pretos e brancos, que deve se agravar na crise

Moradores da favela de Paraisópolis, em São Paulo, discutem como enfrentar a pandemia - Eduardo Knapp/Folhapress

No ano passado, a diferença de rendimentos entre trabalhadores brancos e pretos atingiu o maior patamar desde 2016, segundo pesquisa recém-divulgada pelo IBGE. Mais afetados pelos anos de estagnação econômica, os pretos receberam, em média, apenas 55,8% da renda dos brancos —ou R$ 1.673 mensais, ante R$ 2.999.

Os que se declaram pardos saem-se apenas um pouco melhor, com média de R$ 1.719 ao mês e diferença praticamente estável em relação aos brancos no período.

Negros —que por convenção estatística incluem pretos e pardos— deverão arcar com o maior impacto da crise social anunciada pela pandemia do novo coronavírus. Quase metade deles, 47%, são trabalhadores informais, em comparação a 35% dos brancos, segundo dados do IBGE referentes a 2018.

Os negros também compõem quase dois terços (66%) dos desocupados e dos subutilizados no mercado de trabalho brasileiro.

Parte significativa da desigualdade salarial entre brancos e negros pode ser atribuída a racismo. Quando deixados de lado fatores como grau de instrução e experiência de trabalho, a parcela injustificada da disparidade na remuneração entre brancos e negros atinge o patamar de 31%, segundo estudo do Instituto Locomotiva divulgado em janeiro deste ano.

Investir em programas para maior equidade étnico-racial nas empresas, da porta de entrada aos cargos mais altos, dos processos de seleção aos planos de desenvolvimento profissional é fundamental, ainda que insuficiente.

Cabe ao Estado atentar para os efeitos da recessão que se avizinha. Para tanto, deve garantir que o auxílio emergencial chegue a quem de fato mais necessite. À Justiça cabe enfrentar casos de discriminação racial no mercado de trabalho.

Renda, no entanto, constitui apenas uma forma, importante que seja, de abordar a questão da profunda desigualdade entre brancos e negros. A longo prazo, equidade requer enfrentar questões como acesso a infraestrutura e serviços essenciais de educação, saneamento e saúde. Sem tais mudanças, as estruturas que fundamentam o racismo salarial hão de persistir.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.