Descrição de chapéu

Direção segura

Câmara repõe precauções em normas de trânsito ameaçadas por projeto do Planalto

Trânsito na avenida Paulista, no início de abril
Trânsito na avenida Paulista, no início de abril - Zanone Fraissat - 9.abr.20/Folhapress

Em nome do combate a uma abstrata “indústria da multa” e em consonância com os interesses de seus aliados caminhoneiros, o presidente Jair Bolsonaro cruza sem pestanejar limites a muito custo impostos em favor da segurança nas vias.

Assim se deu com seu projeto para alterar o Código de Trânsito Brasileiro. O texto proposto mais parecia saído de um sindicato de motoristas ressentidos, não da Presidência da República, tantas as modificações que contribuiriam para aumentar os riscos de condutores, passageiros e transeuntes.

O Congresso Nacional, felizmente, não se encolheu diante da obrigação de pôr freios aos excessos de Bolsonaro. O projeto aprovado na Câmara dos Deputados prescinde de alguns dispositivos de alta octanagem maquinados no Planalto, e agora se espera que o Senado mantenha o mesmo curso.

O exemplo mais chocante do descaso com a segurança de pessoas contemplava a obrigatoriedade das cadeirinhas, um ganho civilizatório. O transporte de crianças sem o equipamento acarreta hoje multa por infração gravíssima, com ônus de sete pontos na habilitação e retenção do veículo.

Pela temerária proposta presidencial, tal infração seria punida com mera advertência —um incentivo para negligenciar o dever de proteger vidas frágeis.

Deputados reinstituíram o agravo pecuniário e detalharam a exigência do assento especial para crianças até dez anos de idade que não tenham atingido 1,45 m de estatura. Já se comprovou que a cadeirinha pode reduzir em 71% as mortes de bebês em acidentes e em 54% as de crianças até quatro anos.

Outro item de imprudência atenuado diz respeito à soma de pontos que leva à suspensão da carteira. Bolsonaro queria duplicá-la para 40, mas a Câmara manteve esse limiar apenas para o condutor que não cometer infrações gravíssimas. Para quem cometeu uma, serão 30 pontos; acima disso, vale a pontuação anterior (20).

O prazo para a renovação da CNH também foi endurecido. Bolsonaro mirava em dez anos, o dobro do período vigente para motoristas até 65 anos; os parlamentares decidiram que a nova regra valerá só até os 50, pois nessa idade não há ainda declínio significativo de condições físicas e mentais para dirigir.

Como nas pistas, legislar exige observância das balizas da precaução: na dúvida, não ultrapasse.

editoriais@grupofolha.com.br

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.