Descrição de chapéu
Paulo César Garcez Marins

Monumentos públicos de figuras controversas da história deveriam ser retirados? NÃO

Mantê-los é chaga aberta, que pode provocar a consciência

Paulo César Garcez Marins

Erguer monumentos que enaltecem líderes políticos e personagens históricos é uma prática antiga no mundo ocidental. As raízes desse costume surgiram ainda na Antiguidade, sendo um exemplo a estátua equestre do imperador romano Marco Aurélio, única remanescente em bronze que restou dos muitos monumentos da cidade de Roma.

Durante o Renascimento, a prática foi retomada com vigor a partir das cidades italianas, espalhando-se pelas monarquias vizinhas e chegando mesmo à América

A estátua do bandeirante Borba Gato em Santo Amaro, zona sul de São Paulo
A estátua do bandeirante Borba Gato em Santo Amaro, zona sul de São Paulo - Zanone Fraissat/Folhapress

Durante o século 19, a disseminação do poder das burguesias e das construções memoriais românticas expandiu enormemente a quantidade de personagens a serem homenageadas.

Os monumentos foram então implantados aos milhares, em bronze e mármore, numa ação regularmente imposta às populações urbanas por lideranças governamentais, que utilizavam as novas avenidas, praças e parques para celebrar heróis —quase sempre homens— que deveriam definir a identidade das jovens nações republicanas ou monárquico-parlamentaristas.

O uso de monumentos escultóricos atingiu, então, sua escala máxima de disseminação no Ocidente, processo que chegou ao Brasil ainda em meados do século 19, quando se inaugurou a estátua equestre de Pedro 1º no Rio de Janeiro, em 1862.

A função celebrativa e rememorativa desses monumentos, dedicados a líderes muitas vezes controversos e representativos de parcelas diminutas da população, atraiu com frequência, e compreensivelmente, a fúria popular.

As diversas estátuas equestres dos reis Bourbons foram todas destruídas durante a Revolução Francesa, assim como também caiu em Nova York aquela que homenageava o rei Jorge 3º, num dos mais famosos episódios do processo de independência das 13 colônias inglesas na América.

Os numerosos cemitérios de estátuas dedicadas a Lênin, Stálin e Marx nas antigas repúblicas soviéticas são outro testemunho dessa fúria, que se prolongou ao Iraque pós-Saddam Hussein e, agora, às cidades em que monumentos a personagens ligados ao tráfico de escravos ou ao racismo são atacados ou destruídos.

Rememorar é a razão por que tais evocações em metal e pedra foram erguidas. Esquecer pode ser a saída para sua sobrevivência polêmica e incômoda?

Nossas cidades têm sido palco de diversas contestações a personagens cada vez mais controversos, como os bandeirantes paulistas. A memória de Borba Gato, no bairro de Santo Amaro, em São Paulo, foi julgada publicamente em 2008, numa intervenção que contestava o sertanista e também sua estátua.

Já o célebre Monumento às Bandeiras, no parque Ibirapuera, vem sendo alvo de pichações e banhos de tinta com certa frequência, como a que ocorreu em 2013.

Destruir essas imagens ou remover seus fragmentos para museus eliminaria uma presença desafiadora, que pode e deve servir para discutir o perigoso poder das imagens e da mitificação de personagens históricos nas sociedades contemporâneas.

A cúpula Genbaku, em Hiroshima, os campos de concentração de Auschwitz e o cais carioca do Valongo são construções que permanecem como lembrança do que não se pode repetir e do que jamais pode ser esquecido.

Esculturas públicas —quase todas homenageando personagens que guardam em sua biografia dubiedades éticas— sugerem um igual desafio. Mantê-las é permitir uma chaga aberta, que pode provocar a consciência permanentemente.

Paulo César Garcez Marins

Historiador e docente do Museu Paulista da USP, o Museu do Ipiranga

TENDÊNCIAS / DEBATES

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.