Descrição de chapéu
Washington Olivetto

Produto Brasil está precisando melhorar muito

Um Brasil que não é para inglês ver

Washington Olivetto

Desde 2016, eu, que adoro Nova York, moro em Londres, cidade que considero a melhor Nova York do mundo. Tudo acontece antes por aqui: do útil ao fútil, sem espaço para o inútil.

Entre o segundo semestre de 2019 e o primeiro semestre de 2020, dois fatos aparentemente opostos e teoricamente irrelevantes me chamaram bastante a atenção nessa panela de pressão cultural que é Londres: uma palestra de Sir Paul Smith, o bilionário designer de moda masculina, e uma entrevista de um ex-editor do jornal The Guardian.

Washington Olivetto na frente da sua casa, no bairro de Belgravia
Washington Olivetto na frente da sua casa, no bairro de Belgravia - Candice Japiassu - 19.jan.18/Folhapress

Na sua palestra na Royal Academy of Arts, Paul Smith contou onde buscava inspiração para criar ternos, camisas, paletós, pulôveres e suas mundialmente famosas meias coloridas.

Explicou que desde muito jovem optou por fotografar plantas, flores e pinturas cujas cores e texturas chamassem sua atenção, e com a mistura dessas referências visuais começou a desenhar suas coleções.

Com o passar do tempo, acrescentou nessas pesquisas fotográficas inúmeras viagens, que acabaram gerando desde ternos inspirados nas vestimentas dos berberes —habitantes do deserto de Marrakesh— até meias com as cores dos prédios projetados pela Schmidt Hammer Lassen, estúdio dinamarquês famoso por sua arquitetura de vanguarda.

Já o ex-editor do The Guardian, do qual eu não me lembro o nome porque peguei a entrevista já começada, falando para a televisão inglesa, contou sobre os seus critérios para decidir se uma notícia merecia ou não ser publicada.

Comentou que certas notícias só beneficiam o noticiado e não são interessantes para o jornal —e muito menos para os seus leitores.

Ilustrou o comentário dizendo que se ainda estivesse na ativa, na direção do The Guardian, não publicaria a maioria das notícias que a imprensa inglesa tem publicado sobre o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro.

Para o veterano jornalista, o presidente Jair Bolsonaro cria falsos factoides para acobertar graves fatos verdadeiros.

Ofende a esposa de outro estadista, discorda das recomendações de cientistas, ameaça destroçar a atuação proativa do Brasil nas questões de meio ambiente, direitos humanos, povos indígenas e reforma da ordem internacional, e trata com desprezo uma jovem preocupada com a crise climática.

Para aquele jornalista, esses fatos só interessam para o provocador dos fatos e não representam o Brasil que merece ser noticiado. Segundo ele, o Brasil que merece ser noticiado é o Brasil do Tom Jobim, do Ivo Pitanguy e do Oscar Niemeyer.

Assisti, ouvi e concordei.

Eu, que vivo aqui em Londres, em contato com profissionais de comunicação de toda a Europa, diariamente ouço as mesmas duas perguntas: por que o Brasil, que historicamente sempre foi visto como o país da doçura, de repente se transformou no país do amargor? E por que o Brasil não faz algo para melhorar a sua imagem?

Para as duas perguntas, eu tenho uma única resposta. Não adianta fazer publicidade de nenhum produto se esse produto não for bom. E o produto Brasil está precisando melhorar muito antes de ser anunciado.

Quando o produto melhorar, o jeito de anunciar o Brasil não é difícil. Temos, em muitas áreas, talentos enormes, e brasileiros dignos e responsáveis como Tom Jobim, Ivo Pitanguy e Oscar Niemeyer.

Da somatória da imagem de muitas pessoas físicas respeitáveis, podemos construir a imagem da pessoa jurídica Brasil.

Digo isso sem nenhum interesse, porque nunca fiz nenhuma campanha de nenhum candidato político, nem aceitei nenhuma conta publicitária de empresas do governo. De nenhum governo. Costumo dizer que esse foi um dinheiro muito bom de não ganhar. Sempre trabalhei única e exclusivamente para a iniciativa privada —e não pretendo mudar de ideia.

Esclareço também que citei uma entrevista de um ex-editor do The Guardian, historicamente um jornal de esquerda, mas não admito ser chamado por ninguém de comunista. Até porque não existem publicitários comunistas. Citei o veterano jornalista do The Guardian porque assisti à sua entrevista e gostei do seu ponto de vista, mas na verdade e para quem se interessa pelos fatos, os dois veículos ingleses que mais criticam o presidente Jair Bolsonaro não são nem um pouco de esquerda. São os dois grandes representantes do capitalismo e do liberalismo: a revista The Economist e o jornal Financial Times.

Meus comentários aqui contêm apenas a intenção de colaborar, até porque, apesar da distância geográfica, continuo próximo do Brasil afetivamente. E torço para que o país melhore das suas pandemias e pandemônios, a ponto de o designer Paul Smith ficar com vontade de conhecer suas cores locais.

Não tenho dúvida de que ele adoraria ver em São Paulo o desfile da Gaviões da Fiel em 2021, com o tema "Basta".

E acho até que se inspiraria para fazer umas meias verde e rosa, se fosse ao Rio de Janeiro ver a Mangueira passar.

Washington Olivetto

Único publicitário não anglo-saxão no Hall of Fame do One Club de Nova York e no Lifetime Achievement do Clio Awards

TENDÊNCIAS / DEBATES

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.