Descrição de chapéu

Armadilha à vista

Conflito entre os Estados Unidos e a China ameaça arrastar países como o Brasil

O presidente americano, Donald Trump, e o líder chinês, Xi Jinping, durante encontro em Pequim no ano de 2017 - Nicolas Asfouri/AFP

Em um livro de 2017, “Destinados à Guerra”, o historiador americano Graham Allison cunhou o termo “armadilha de Tucídides”.

Era uma referência ao grande cronista grego da Guerra do Peloponeso, no século 5 a.C., e sua visão de que o conflito se tornou inevitável quando a potência então estabelecida, Esparta, assistiu temerosa à ascensão de Atenas.

Allison estudou 16 embates análogos nos últimos 500 anos, e em 12 deles o resultado foi a guerra. A questão agora é o que acontecerá com os Estados Unidos e a China.

Apesar do sinal trocado, já que Esparta era autoritária, e Atenas, mais aberta, os papéis estão claros. Washington vê a ascendente China como uma ameaça.

Desde que se aproximaram, nos anos 1970, ambos lucraram com a interdependência de suas economias. Só que a percepção ocidental é que a ditadura comunista faz sombra à hegemonia pós-Guerra Fria das democracias liberais.

Não que o melhor exemplo esteja em casa: Donald Trump representa o farol para líderes autoritários do Brasil à Polônia. De todo modo, a prioridade americana está colocada, mesmo que o presidente seja ejetado em novembro.

A disputa comercial iniciada pelo republicano em 2017 avançou rumo a outros setores.

Só na semana passada, os EUA atacaram interesses do rival asiático na tecnologia do futuro, o 5G, com o banimento da chinesa Huawei no Reino Unido; na política, com novas sanções devido ao cerco a Hong Kong; na geoestratégia, com a condenação às pretensões de Pequim no mar do Sul da China.

Tal saraivada mereceu respostas apenas retóricas, mas analistas questionam a sabedoria de alienar a segunda maior economia do mundo, detentora da maior fatia de fluxo comercial internacional.

Os EUA sabem dos limites chineses nos campos militar e econômico. Pequim também não busca exportar seu modelo único de país.

Mas, ao adiantarem-se na disputa, os americanos colocam dilemas para o restante das nações, que acabam forçadas a escolher um lado.

Os britânicos, ao abdicar da independência que defendiam no 5G, foram as primeiras vítimas dessa armadilha subjacente àquela de Tucídides. O Brasil, sob o guarda-chuva geopolítico dos EUA e com a China como maior parceira comercial, é um dos próximos na fila.

Com um governo inepto e uma política externa que se choca com a realidade ao alinhar-se incondicionalmente a Trump, o desafio de manter equidistância é ainda maior. Cumpre buscar tal objetivo, sem sacrificar princípios e interesses.

editoriais@grupofolha.com.br

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.