Descrição de chapéu
Juca Ferreira e Alfredo Manevy

Cultura e barbárie

É evidente o desprezo do governo por nossa diversidade cultural

Juca Ferreira

Sociólogo, é ex-ministro da Cultura (2008-10 e 2015-16; governos Lula e Dilma) e ex-secretário da Cultura da Prefeitura de São Paulo (2013-14, gestão Haddad)

Alfredo Manevy

Professor-adjunto da UFSC, é ex-secretário-executivo do Ministério da Cultura (2008-10, governo Lula) e ex-presidente da Spcine

A extinção do Ministério da Cultura foi o primeiro de uma série de atos que simbolizam a aversão do governo Bolsonaro à cultura, às artes e às liberdades conquistadas pela humanidade neste início do século 21.

O que o governo entende por cultura é o resgate de valores autoritários, a censura, o dirigismo estatal, a legitimação da tortura e o culto à violência e às armas. É evidente o desprezo por nossa diversidade cultural, em especial pelas contribuições culturais africana e indígena.

Referências nazi-fascistas inspiram o esfacelamento da memória nacional, a repressão ao ato criativo e a perseguição aos artistas. O vexatório silêncio do governo na morte de João Gilberto, um ícone da música mundial, mostra o tamanho da hostilidade.

Os povos indígenas sofrem com a explosão de invasões e assassinatos enquanto o governo fala em “civilizar” e liberar garimpo em suas terras. A proteção dos direitos dos índios é dever do Estado. E Marechal Rondon já os defendia há mais de cem anos.

Vislumbra-se um cenário de terra arrasada na Agência Nacional do Cinema (Ancine); agonia da Cinemateca; elogios à escravidão pelo presidente da Fundação Palmares; ameaça de extinção da Fundação Ruy Barbosa; inoperância da Funarte e a nomeação de uma pessoa sem qualificação para presidir o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O Iphan tem enorme responsabilidade na preservação da memória: o barroco mineiro, as cidades históricas em que se deram os sonhos de independência do Brasil; a capoeira e o samba; a poética de Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Manoel de Barros e Cecília Meireles; a literatura de Guimarães Rosa, João Ubaldo, Jorge Amado e Rachel de Queiroz; a arte de Djanira; kusiwa, a pintura corporal do povo wajãpi, patrimônio cultural mundial, e a espetacular arte gráfica dos caiapó e dos yawalapiti, entre tantas outras criações brasileiras.

A cobiça e a pressão no licenciamento de empreendimentos colocam esse patrimônio em risco. E “passar a boiada”, como diz o ministro Ricardo Salles, é o lema do momento.

No audiovisual, pela primeira vez a cota de tela não foi cumprida, e os filmes nacionais ficaram sem espaço no mercado. O corte do financiamento do cinema e das séries faz o Brasil perder um espaço conquistado na produção de conteúdo. A geração de renda da cultura sequer é vislumbrada pela incompetente política econômica.

Condenar o Brasil a exportador de commodites e predador do meio ambiente e os brasileiros a consumidores de quinquilharias da indústria cultural globalizada são traços de um neocolonialismo.

É nesse terreno que a Covid 19 atinge a área cultural. Aldir Blanc, Sérgio Sant’Anna e o kumu Higino do Rio Negro são alguns dos artistas e mestres que tiveram suas vidas encurtadas. Quantas vozes insubstituíveis poderiam ter sido salvas se o governo não fosse omisso?

O Brasil e sua cultura são maiores que um governo medíocre. Entretanto, quanto mais perdurar a demolição, mais difícil será a reconstrução.

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.