Descrição de chapéu
Irapuã Santana

Antirracismo é luta de todos

Faço um chamado de união; não é uma guerra de negros contra brancos, mas sim uma batalha contra o atraso

Irapuã Santana

A pauta do racismo surge com cada vez mais força. Neste ano, o assassinato de George Floyd pode ser o início de uma grande revolução social.

Em 25 de agosto, o Tribunal Superior Eleitoral trouxe luz a uma outra faceta do racismo espalhado na nossa sociedade: aquele presente em cada partido político, de todos os espectros —direita, centro e esquerda.

Esse viés reconhecido é de suma importância para entendermos como funciona o nosso país. De um lado, há um discurso de que todos são iguais, mas na prática há um privilégio a certos indivíduos. De outro, reconhece-se o problema, mas não se toma a sua parcela de responsabilidade nele, o que inviabiliza a sua resolução.

Vários estudos analisados nesse julgamento histórico mostraram que as candidaturas negras vêm sofrendo com a desproporcionalidade de investimento à menor por seus respectivos partidos.
Isso quer dizer que o racismo é suprapartidário!

Se assim o é, devemos entender que a luta também deva ser. Não podemos nos fechar em nichos de correntes ideológicas quando, na verdade, a discriminação racial toca a todos, das mais variadas formas.

Um aspecto importante a ser lembrado é que formamos 56% de uma população que gira em torno de 210 milhões de brasileiros. É matematicamente impossível querer unidade de posicionamento político entre os mais de 118 milhões de negros existentes em todo o território nacional. Por isso é preciso fomentar sua participação em todos os espaços. Dividir a luta antirracista é enfraquecer uma causa comum, que nos une e que precisa ser combatida com todas as forças disponíveis.

Antes de sermos de centro, de esquerda ou de direita, nascemos negros, com uma série de condições que nos dilaceram e nos atrasam.

Aquilo que enfrentamos muito mais nos une do que nos separa. Todos queremos uma vida, uma sociedade, um Brasil e um mundo melhor. Os caminhos a serem percorridos, dentro da democracia, são todos válidos.

Daí o motivo pelo qual escrevo hoje: para fazer um chamado de união, lembrando também que não é uma guerra de negros contra brancos, mas sim uma batalha contra o atraso, contra o racismo.

Não peço empatia, pode ser por egoísmo mesmo: nem que seja para ter melhores condições de vida para si e para sua própria família. Afinal, que nação se torna desenvolvida deixando mais da metade de sua população para trás?

Há um longo caminho a ser percorrido, que será mais exitoso com a maior ajuda possível. Afinal, essa é uma luta de todos.

Irapuã Santana

Doutorando em direito processual pela UERJ, ex-assessor do ministro do STF Luiz Fux, consultor do Livres e da ONG Educafro e procurador do município de Mauá (SP)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.