Descrição de chapéu

Fantasia de presidente

Ao negar desgoverno na pandemia e devastação ambiental, Bolsonaro foge da realidade na ONU

O presidente Jair Bolsonaro durante discurso de abertura na Assembleia Geral da ONU
O presidente Jair Bolsonaro durante discurso de abertura transmitido na Assembleia Geral da ONU. - Reprodução/ONU

Com o Brasil cada vez mais pressionado na esfera internacional em razão do retrocesso na área ambiental, seria de imaginar que Jair Bolsonaro aproveitasse a tribuna privilegiada da Assembleia Geral das Nações Unidas para oferecer um diagnóstico honesto dos problemas que afligem o país e defender medidas para o seu enfrentamento.

O que se viu nesta terça (22), porém, foi um presidente que se nega a reconhecer a realidade à vista de todos, atitude que só contribui para alimentar desconfianças de investidores e parceiros comerciais.

Como se não existissem dados de satélites a comprovar praticamente mês a mês o aumento do desmatamento e das queimadas, Bolsonaro optou por uma narrativa persecutória ao atribuir as notícias sobre o assunto a uma campanha internacional de desinformação.

Na ficção presidencial, o fogo que grassa na Amazônia seria causado pela agricultura de subsistência de índios e caboclos em áreas desflorestadas no passado, quando os dados apontam regiões de desmatamento mais recente, com a função precípua de limpá-las para a formação de pastos para a pecuária.

Bolsonaro não se saiu melhor ao falar do enfrentamento da pandemia de Covid-19. Incapaz de coordenar esforços na linha de frente do combate ao coronavírus, que já ceifou a vida de quase 140 mil brasileiros, tratou de inculpar outros.

Reafirmou críticas às medidas de isolamento social preconizadas pela Organização Mundial de Saúde, apontou o dedo para o Judiciário e para os governadores, e acusou mais uma vez a imprensa de disseminar o pânico na população.

O tom do pronunciamento gravado, lido em seu estilo claudicante, pareceu até comedido se comparado com a exibição na reunião da ONU no ano passado, quando o mandatário recém-empossado aproveitou a chance para defender a ditadura militar e investir contra o socialismo e outros fantasmas.

Como se tivesse optado por vestir fantasia de estadista desta vez, Bolsonaro fez profissão de fé no liberalismo econômico, celebrou a reforma da Previdência Social e se declarou comprometido com mudanças nos impostos e nos gastos com o funcionalismo público.

Mas o verdadeiro Bolsonaro estava ali também, indisfarçável, na adulação ao presidente americano, Donald Trump, cuja política externa foi enaltecida, e no apelo contra o preconceito religioso, que classificou como cristofobia.

Acima de tudo, a apresentação foi marcada pela insistência de Bolsonaro em se refugiar numa realidade paralela, cuja falsidade é facilmente demonstrável, e que só encontra eco entre os apoiadores mais fanáticos —uma retórica flácida que, em vez de convencer, só atesta sua inaptidão para governar.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.