Descrição de chapéu

Abaixo do mundo

PIB brasileiro deve crescer menos que o global em 2021; tragédia antecede vírus

0
Rua 25 de Março, polo de comércio popular no centro da cidade de São Paulo, com lojas fechadas em março - Eduardo Knapp - 20.mar.20/Folhapress

Salvo exceções pontuais, o mundo não deverá se recuperar já no próximo ano das perdas econômicas provocadas pela pandemia do novo coronavírus. Nesse cenário de retomada incerta, a situação brasileira é particularmente precária.


Pelas projeções do Institute of International Finance (IIF), entidade que reúne 450 bancos e fundos de investimento, o Brasil amargará retração do Produto Interno Bruto de 5,9% neste ano e alta de 3,6% em 2021 —expansão inferior às esperadas para o mundo (5,3%), as economias avançadas (4,5%) e a América Latina (3,8%).

As estimativas locais para o impacto imediato da Covid-19 são ligeiramente menos pessimistas que as do IIF: calcula-se hoje encolhimento de 5% em 2020, conforme pesquisa do Banco Central. Em qualquer hipótese, trata-se do pior resultado anual já medido no país —e a continuidade de uma tragédia que antecede a pandemia.

A economia nacional acaba de experimentar uma recessão meteórica, concentrada nos meses de março e abril, antes mesmo de ter se recobrado dos efeitos da recessão anterior, longa e brutal, no período de 2014 a 2016.

Fecharemos a década com crescimento acumulado próximo de zero, um desempenho impensável para um país de renda média e enorme desigualdade social.

Não é de hoje, nem desta década, que o Brasil progride menos que o restante do mundo. Estatísticas do Fundo Monetário Internacional (FMI) apontam que o país representava 4,4% da economia global em 1980; de lá para cá, a cifra caiu gradualmente a 2,4%.

A debilidade não se mostra apenas circunstancial, portanto, embora o momento atual apresente diversos problemas agravados.

A crise financeira global de 2008 apanhou o país em situação orçamentária relativamente confortável, o que permitiu ao governo atenuar os efeitos recessivos e acelerar a retomada por meio da expansão das despesas públicas.

Como a gastança não foi interrompida, entretanto, as contas do Tesouro já se encontravam em estado calamitoso quando foi necessário enfrentar a pandemia com uma escalada inédita de desembolsos.

Se o colapso momentâneo da atividade justificou a correta atuação emergencial do poder público, os patamares anômalos do déficit e da dívida pública tornam imperativo o retorno em breve ao ajuste fiscal —sob pena de não deixar para trás uma década perdida.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.