Bicho-papão economicus nos aliena da natureza

Esse personagem artificial vem silenciosamente se instalando sob nossa cama

Como economista, me deparo diariamente com um bicho-papão. Diferentemente do sobrinho mais famoso dele (convocado por pais no mundo inteiro), meu bicho-papão controla os adultos e, assim, causa angústia às crianças.

Ele nasceu há 400 anos, quando o filosofo e político inglês Francis Bacon definiu o homem como "ministro e intérprete da natureza". Essa visão retratava a natureza como uma força violenta e imprevisível que precisava ser domada pelo conhecimento e pela indústria, ambos "dados por Deus" ao ser humano.

Natureza e humanidade, assim, desmembrados e hierarquizados.

A cada pensador, o ser humano se tornou mais racionalizado e mais direcionado ao interesse próprio, e as relações sociais, mais encaixotadas. Simplificamos o ser humano, descomplicamo-lo, tornando-o, enfim, objeto previsível para teorias e modelagens econômicas. Assim surgiu o homo economicus —meu bicho-papão—, uma personagem artificial que vem silenciosamente se instalando debaixo da cama; moldando uma experiência de vida agudamente voltada ao acúmulo material, alienando-nos da natureza, das nossas comunidades e das complexidades que compõem nossa essência de ser.

Os desafios das ameaças climáticas definirão se o bicho-papão economicus nos pega de vez. Como continuamos norteando a nossa economia com cálculos que desconsideram fatores relevantes da equação, tal como o valor —econômico e social— da natureza? De que adianta uma projeção de lucro em que falta uma linha de custos —nesse caso, a degradação ambiental que "viabiliza" o produto final? De que adianta seguir cegamente as metas do PIB se o desmatamento da Amazônia, que prejudicará diversos setores, não aparece ali? Seremos capazes de virar a chave antes?

Apesar de não contabilizada, a conta está chegando. Somente com custos de recuperação e resgate ambiental, o Brasil gastou, entre 1995 e 2017, R$ 180 bilhões. Entre 2013 e 2017, mais da metade dos municípios brasileiros declarou estado de calamidade ao menos uma vez —e isso é só o começo.

Precisamos aprender a assumir o erro —ainda mais como economistas ou empresários, que erramos constantemente na contabilização dos negócios e da vida humana. Assumindo o erro, deixamos de ser controlados por moralidades, premissas e modelos equivocados. Assumindo o erro, resgatamos também a nossa humanidade comum.

Sem isso, a gente continua a dar aval para o bicho-papão economicus controlar nosso destino. Quem sofrerá mais com isso —e aí não há nada de história— serão nossas crianças.

Julia Marisa Sekula é economista, coordenadora do Programa de Clima e Segurança do Instituto Igarapé e fundadora da FinanSOS.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.