Descrição de chapéu
Maria Paula

O Prêmio Nobel da Paz em suas mãos

Talvez o leitor possa se engajar em iniciativas de combate à fome agora mesmo

Maria Paula

Formada em psicologia com mestrado em desenvolvimento humano e saúde (UnB), é atriz, comediante e embaixadora da paz do Distrito Federal

E se cada brasileiro —diante da previsão da ONU de que 40 milhões de pessoas podem passar fome na América Latina e no Caribe em decorrência da pandemia— resolvesse cuidar de alguém no seu bairro?

E se hortas comunitárias ocupassem terrenos baldios, praças, paredes e jardins das grandes cidades?

E se a produção de alimentos no campo entrasse numa era de colaboração mútua com os proprietários de terras, unindo-se pela otimização de plantios e colheitas?

A atriz e psicóloga Maria Paula, embaixadora da paz do Distrito Federal - Antonio Chahestian - 11.jun.19/Record TV


E se o Brasil se assumisse como um país cheio de recursos, com terra, sol e água em abundância, mudando o “mindset” derrotista em que se encontra?

E se esse novo modelo de divisão de propriedades rurais promovesse a substituição dos hábitos de produção, erradicando as velhas formas de domar as pragas por meio da aplicação de agrotóxicos, de modo a oferecer à população alimentos mais saudáveis e saborosos?

E se nos comprometêssemos a reduzir o consumo de animais até chegarmos a uma fórmula de dieta que fosse passível de alimentar os 7,5 bilhões de habitantes do planeta?

E se o enorme desperdício de alimentos em perfeito estado de consumo deixasse de acontecer diariamente? E se pudéssemos nos organizar de modo a substituir a cultura do medo e da escassez pela cultura da paz e do cuidado?


E se, em vez de seguirmos consumindo alimentos de forma desorganizada, quem tivesse condições de ir ao mercado fazer compras a cada mês mudasse seus hábitos e informasse com antecedência a quantidade de alimentos para o seu consumo mensal, de modo a possibilitar que o dono do mercado mantivesse em estoque estritamente o que seria vendido?

E se o povo brasileiro, em sua imensa capacidade de adaptação através do improviso criativo, tomasse a frente de todas essas transformações e pudesse oferecer ao mundo um exemplo a ser seguido?

Talvez assim, em vez de ameaça de guerra civil, pairasse sobre nossa nação uma enorme força vinda da vontade de encarar os desafios que nos estão sendo apresentados.

Talvez assim o Prêmio Nobel da Paz 2020 pudesse chegar às mãos de cada cidadão disposto a oferecer um prato de comida a alguém que estivesse passando fome ao seu lado.

Talvez assim fosse você o responsável por virar esse jogo.

O Programa Mundial de Alimentos (WFP), maior braço humanitário das Nações Unidas, acaba de receber o Prêmio Nobel da Paz 2020. Em resposta aos parabéns enviados por mim e outros apoiadores à instituição, o representante da agência no Brasil e diretor do Centro de Excelência contra a Fome, Daniel Balaban, publicou uma carta endereçada ao grupo, cuja generosidade me emocionou. Reproduzo aqui um trecho: “Embora o prêmio tenha sido dado ao WFP, este é o Prêmio Nobel da Paz para todos que nela acreditam”.

E se o leitor estiver pronto para ser o ganhador deste Nobel? Talvez possa se engajar em alguma iniciativa de combate à fome agora mesmo.

* Informações no site desafio10X10.com.br. Para saber mais sobre o Programa Mundial de Alimentos (WFP) e doar para os projetos do Centro de Excelência contra a Fome no Brasil, acesse www.wfp.org.br

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.