Descrição de chapéu
Antonio Silvio Lefèvre

Lobato não era racista

Levar citações ao pé da letra revela total ignorância sobre a obra do escritor

Antonio Silvio Lefèvre

Sociólogo (Université de Paris), editor e livreiro, interpretou o personagem Pedrinho na primeira adaptação do 'Sítio do Picapau Amarelo' para a TV, em 1954

No começo de 1945, quando a ditadura Vargas já andava enfraquecida, Monteiro Lobato falou ao repórter Tulman Neto, do jornal "Diário de São Paulo". A entrevista foi por escrito, pois Lobato não confiava nos jornais. Afirmava que insistiam em publicar “asneiras” atribuídas a ele. Só dava entrevistas redigidas de próprio punho. Certa vez, enviou a seguinte carta ao diretor da Folha da Manhã:

“Por acaso me chegou às mãos um recorte da Folha da Manhã, de 15 do corrente, com um tal telegrama do Rio no qual se transmite uma ‘entrevista’ minha. Li e corei. Desnaturações do pensamento, vulgaridades, chatices. E esta coisa me assombrou: 'Finalizando, disse Monteiro Lobato, vai melhorar o Brasil. Antigamente só elegiam esses sujeitos ossudos, soturnos, ou bojudos, indivíduos horríveis, mal-encarados, convencidos etc.'”


E continuou: “Por mais que eu lesse e relesse o recorte inteiro, fiquei na dúvida sobre a substância que enche a cabeça desse repórter. Venho, pois, declarar que a tolice não é minha e a tal entrevista desnaturada é tão chata e vulgar que a ideia que me vem é a seguinte: o que acima de tudo precisa melhorar no Brasil é a qualidade dos repórteres de seus jornais. Peço ao senhor diretor a inserção desta nota a fim de que meus amigos não fiquem a supor que já estou completamente gagá”.

Setenta e cinco anos depois, em 27 de dezembro 2020, a Folha cometeu outra falha, muito mais grave, expressa num editorial sob o título “O racismo de Lobato” e o subtítulo “Mostras claras de preconceito nas obras infantis devem ser contextualizadas, não suprimidas”.

Endossando a visão de alguns dos “politicamente corretos” de hoje, que acusam Lobato de racismo por causa de uma ou outra frase dos personagens do "Sítio do Picapau Amarelo" em que a Tia Nastácia é chamada de “negra”, o editorialista ignora que são diálogos de um livro infantil, repleto de provocações, em especial por parte da desbocada boneca Emília. Levar isso ao pé da letra, como se fosse manifestação de racismo por parte do autor do livro, revela uma profunda e total ignorância sobre a obra de Lobato.

Quem leu todos os livros do "Sítio" na infância, como eu, sabe muito bem que não tem neles nada de racismo. Pelo contrário, a personagem Nastácia é apresentada como uma pessoa sábia, de enorme simpatia. E, ao chamá-la de “negra de estimação”, Lobato deixa claro que se opunha cabalmente a qualquer preconceito.

Mas o pior de tudo no editorial da Folha foi a frase final, que sugere que a obra infantil de Lobato, considerada como racista, deva deixar de ser lida pelas crianças. Assemelhando-se a uma sentença do Tribunal da Inquisição, o editorial termina dizendo:: “Ora, se uma obra reflete uma sensibilidade ultrapassada, é natural que seja logo esquecida”.

Eu sou um legítimo “filho de Lobato”, conforme José Roberto Whitaker Penteado tão bem descreveu em seu livro a influência marcante do escritor nas gerações seguintes. A essa influência geracional se soma o fato de meu pai ter sido amigo e médico de Lobato, e eu mesmo ter interpretado o Pedrinho na primeira série de TV do "Sítio do Picapau Amarelo" (TV Tupi SP, 1954).

E hoje sou próximo e amigo de Cleo Monteiro Lobato, bisneta do autor, que está reeditando os livros do "Sítio", eliminando ou substituindo a palavra “negra” para evitar que os “corretinhos” de hoje julguem Lobato racista, quando o objetivo de Lobato era exatamente o oposto. Ele foi um ativo militante antirracista, e não um racista.


Algo me diz que se Lobato estivesse vivo ele escreveria novamente à Folha, dizendo algo semelhante ao que afirmou em 1945, cujo texto me permito adivinhar:

“Por mais que eu lesse e relesse o editorial inteiro, fiquei na dúvida sobre a substância que enche as cabeças do autor desse texto. Venho, pois, declarar que a tolice não é minha, e a ideia que me vem à cabeça é a seguinte: o que acima de tudo precisa melhorar no Brasil é a qualidade de muitos de seus jornalistas. Peço ao senhor diretor a inserção desta nota a fim de que meus amigos não fiquem a supor que eu já estava completamente gagá nos anos 1930 e 1940, a ponto de virar racista e da Folha mandar meus livros para a fogueira da Inquisição.”.


Ah, a boneca Emília, que tudo percebe antes dos outros, me apontou o que ela descobriu como razão para o ataque da Folha a Lobato: “É que dois 'bolsominions' ignorantes, um tal de Sérgio Camargo e um tal de Mario Frias, ambos achando que Lobato era de direita, o estão defendendo e dizendo que ele não era racista. Então, como a Folha é contra o Bolsonaro (aliás, com toda razão), mas, por ignorância, não sabe que Lobato era de esquerda, achou que tinha que divergir dos 'bolsominions' e chamar Lobato de racista. Cada um mais bobo que o outro, não é, Pedrinho?”

Eu, Pedrinho, espero que a Folha faça um mea-culpa para evitar que o próprio jornal, um dia, venha a ser colocado no “índex” por um governo de direita ou de esquerda, já que não sabe distinguir os dois lados e acusa um pensando ser o outro.

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.