Descrição de chapéu
Clovis E.M. Scripilliti, Luis E. de Moraes, José R. E. de Moraes e Claudio E. de Moraes

Como chegamos até aqui

Folha, seja bem-vinda ao seleto grupo de empresas brasileiras centenárias

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Clovis Ermirio de Moraes Scripilliti, Luis Ermirio de Moraes, José Roberto Ermirio de Moraes e Claudio Ermirio de Moraes

Acionistas da Votorantim S.A.

"Sempre achei um enorme privilégio poder escrever em um jornal influente e independente e que presta tantos serviços à democracia brasileira como a Folha."

Foi com estas palavras que, em 2009, Antônio Ermírio de Moraes abriu seu último artigo fixo nesta Folha, onde escreveu semanalmente por 17 seguidos anos, atendendo ao convite de Octavio Frias de Oliveira. Um período de reflexões, descobertas e transformações que deu continuidade a um legado que começou no início do século passado.

Não é usual uma empresa chegar aos cem anos. Mas quando ela é construída com base sólida, com um propósito maior, é capaz de inspirar quem trabalha nela e aqueles com quem nos relacionamos. Chegar até aqui só é possível porque passamos de pessoa para pessoa o importante papel que devemos ter gerando empregos, ajudando o país a crescer, investindo no melhor de cada um para alcançar o melhor de todos, colocando a empresa e suas pessoas em primeiro lugar.

Firmes em nossos valores, fazendo do jeito certo e com espírito empreendedor, superamos todos os desafios ao longo de nossa história --a crise de 1929, a Segunda Guerra Mundial, a crise do petróleo, a hiperinflação, todos os planos econômicos das décadas de 1980 e 1990, a crise econômica da década passada. Se chegamos aqui, podemos considerar que somos sobreviventes e temos certeza de que vamos superar a crise atual, decorrente da pandemia do novo coronavírus.

E chegamos aos cem anos porque nos reinventamos, seguimos em constante transformação. É a coragem de ir além que não nos deixa parados, nos provoca diariamente, que amplia nossos horizontes. Pavimentando, talvez, o percurso para mais cem anos.

Mas de nada valeria ser uma empresa centenária sem acreditar no Brasil, nos brasileiros, na construção de um país melhor, mais justo e que seja responsável no trato com suas riquezas —as pessoas, o meio ambiente e nossa cultura.

Mais que acreditar, agir neste período todo em defesa da nossa democracia e liberdade, promovendo a melhor educação para construir o futuro do país e compartilhando as melhores práticas no ambiente de negócios. E sem medir esforços para ajudar quem mais precisa nos momentos mais difíceis.

Essa é a trajetória da Votorantim nos últimos 103 anos. Mas essa história não cabe só para nós. Vale também para a Folha e todas as pessoas que fizeram do jornal uma das vozes mais importantes para entendermos e melhorarmos o Brasil.

Resistir aos diferentes períodos políticos e econômicos, lançar novas publicações, ser pioneira no ambiente digital com notícias e serviços, as campanhas de cidadania e saúde e, por que não, a autocrítica em sua jornada com a criação da primeira seção "Erramos" e do primeiro ombudsman da imprensa brasileira comprovam sua solidez e inquietação para buscar o futuro. Assim como a gente na Votorantim.

Folha, seja bem-vinda ao seleto grupo de empresas brasileiras centenárias. E que venham os próximos cem anos com a renovação do compromisso com o futuro, porque, como costumamos falar na Votorantim, o futuro é o nosso território.

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.