Descrição de chapéu
O que a Folha pensa inflação

Rega-bofe farsesco

Bolsonaro providencia gentileza de empresários, em vez de boa política econômica

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

O ministro Paulo Guedes (Economia) dá entrevista após jantar do presidente Jair Bolsonaro com empresários - Mathilde Missioneiro/Folhapress

Em jantar com um pequeno grupo de empresários, incluindo apoiadores de primeira hora e alguns nem tão próximos, Jair Bolsonaro procurou mostrar que conta com suporte na elite econômica.

Acompanhado por ministros, entre eles Paulo Guedes (Economia), Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e Marcelo Queiroga (Saúde), além do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, o presidente usou a oportunidade para reafirmar empenho na vacinação e compromisso com uma gestão responsável.

Afora a ausência de pudor na busca de crédito por uma campanha de imunização que o Planalto sempre rechaçou, o encontro acaba por expor involuntariamente o que mais falta ao governo Bolsonaro na condução da economia.

A confiança do setor produtivo e de investidores deve ser obtida com políticas públicas consistentes e clareza de propósitos. Rega-bofes para alguns convidados mostram exatamente o contrário.

Alguns dos presentes demonstraram otimismo após o encontro, mas o grupo constitui amostra ínfima do empresariado. Logo surgiu quem denunciasse a tentativa de tomar a parte pelo todo.

Recorde-se que um contingente muito mais amplo de industriais, banqueiros, executivos e economistas assinou recentemente carta com críticas ao governo e cobrança de providências concretas para a superação da pandemia e apoio à população mais carente.

Conforme os relatos, os ministros procuraram destacar temas positivos, como não poderia ser diferente —alguns avanços da agenda legislativa e leilões de infraestrutura.

Entretanto a cortina de fumaça é incapaz de esconder a gravidade da conjuntura. O atraso na vacinação ceifa vidas, enquanto o país vive entre estagnação econômica, alta da inflação e desconfiança a respeito das contas públicas.

Todos esses problemas são agravados pela incúria do Planalto e pelo descompromisso do Congresso, mais preocupado com seus interesses paroquiais. O mais recente episódio foi a tentativa (mais uma) de burlar o teto para os gastos federais com um Orçamento fictício.

A farsa, que agora se transformou em impasse político, foi viabilizada pela colaboração entre alas do governo e o centrão, com o objetivo de ampliar despesas em benefício de redutos eleitorais.

Enquanto Bolsonaro colhe aplausos e gentilezas no varejo, os mercados demonstram clara e diariamente —por meio de inflação, baixo crescimento, desemprego, alta do dólar e dos juros— o déficit de credibilidade do governo. Este deveria ser o recado levado a sério pelo presidente e por seus auxiliares.

editoriais@grupofolha.com.br

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.