Descrição de chapéu
Francisco Soares Brandão

Dias melhores virão

Olhar para trás ajuda a entender os caminhos que podemos ter pela frente

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Francisco Soares Brandão

Empresário e sócio-fundador do Grupo FSB

A história sempre ensina. Se estamos vivendo hoje uma nova guerra mundial, desta vez contra um poderoso vírus, é um bom momento para relembrar os acertos do passado a fim de produzirmos um futuro melhor.

Desde o início de 2020, quando a OMS (Organização Mundial da Saúde) oficializou que o mundo enfrentava a pandemia de Covid-19, a rotina mudou para todos. Foi como se tivéssemos entrado em uma nova guerra: fronteiras fechadas, escalada de mortes, envolvimento de todos os países.

Comportamentos foram alterados, com consequências que ainda estão para serem compreendidas. O impacto econômico também foi gigantesco —para alguns setores, muito mais agudo, como no caso do turismo, do entretenimento, da gastronomia.

O empresário Francisco Soares Brandão, sócio-fundador da FSB - André Maceira - 12.abr.20/Portal Imprensa

O pior retrato deste cenário é a morte de cerca de 3,3 milhões de pessoas em todo o planeta. Uma grande tristeza.

Ainda estamos lidando com tamanha tragédia. Mas, de novo, olhar para trás ajuda a entender os caminhos que podemos ter pela frente.

Dadas as devidas proporções (tendo em vista que a Segunda Guerra Mundial custou cerca de 60 milhões de vidas à época), o nosso cenário atual guarda semelhanças com o que o mundo vivia após 1945.

Foram os chamados “gloriosos 30 anos”, em que Europa Ocidental, EUA e Japão viveram um período de intensa expansão econômica, inovação e geração de riqueza. Em que o mundo criou instituições globais —como a ONU, o FMI e a própria OMS— para ajudar no desenvolvimento e na construção de diálogo.

Nesta nossa guerra atual, também tivemos avanços. A pandemia nos ensinou a trabalhar de maneira diferente. Avançamos barbaridade em pesquisa. Desenvolvemos técnicas, protocolos, vacinas. Voltamos nosso olhar para a necessidade de aportar recursos em saúde —e dar acesso aos mais desprotegidos. Aceleramos o aprendizado de forma extraordinária. O vírus estimulou a solidariedade. A humanidade está pagando um preço altíssimo, mas vai sair melhor.

Vários países discutem a implementação de uma renda mínima, com impacto direto no consumo. Como no pós-Segunda Guerra, também há um olhar para a retomada de obras em infraestrutura e uma corrida para o avanço tecnológico, com impacto direto na produtividade e na redução de custos de produtos e serviços (aumentando o acesso).

Os meios de transporte estão em transformação. A matriz energética se volta de um mundo menos dependente em petróleo e mais focado em energias renováveis. Sustentabilidade está no centro da mesa dos executivos. Empresas e pessoas é que moldam a sociedade, não exatamente governos.

O planeta hoje está muito mais interconectado. Isso pode evitar também os erros do pós-Guerra, que foi amargo para uma parte do mundo: a Cortina de Ferro na Europa Oriental, a grande fome na China, a instabilidade política e econômica na América Latina e na África.

Feito tudo na vida, estamos aprendendo. Repensando o papel das políticas públicas, principalmente na saúde. Espraiando conhecimento. Ressignificando a globalização e as regras de comércio mundial.

Mudando nosso jeito de trabalhar, de gastar tempo e dinheiro. A volta ao “normal” será interessante e desafiadora. Saibamos aprender com o passado para que este triste episódio ajude a moldar um futuro bem melhor.

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.