Descrição de chapéu União Europeia Europa

199º aniversário da Independência

Cenário no bicentenário da Independência não será muito diferente do atual

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Giuliana Miranda

Jornalista, escreve para a Folha desde 2010. Radicada em Lisboa há sete anos, é mestre em ciência política e relações internacionais pela Universidade Católica Portuguesa e presidente da Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal

Daqui a duas semanas, o Brasil celebra o 199º aniversário de sua independência de Portugal. Na antiga metrópole, a agenda burocrática expectável para uma efeméride desse gênero —acordos bilaterais, anúncio de estreitamento de relações— foi eclipsada pela inaptidão do governo Bolsonaro.

A recente visita ao Brasil do presidente luso, Marcelo Rebelo de Sousa, no começo de agosto, foi marcada por episódios constrangedores.

Além de não comparecer à reinauguração do Museu da Língua Portuguesa, que contou com a presença dos presidentes de Portugal e de Cabo Verde, Bolsonaro ainda recebeu a delegação lusitana com seu tradicional negacionismo da Covid-19.

A imagem contrastante do presidente e da comitiva portuguesa, em que todos usavam máscaras, sendo recebidos em uma sala fechada por Bolsonaro e seus ministros, sem qualquer cobertura facial ou distanciamento, ilustraram na imprensa lusa o vexame sanitário brasileiro.

Bolsonaro em encontro com o presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos de Almeida Fonseca, no Palácio do Planalto - Wagner Pires - 30.jul.2021/Futura Press/Folhapress

Já os comentários golpistas, os ataques às instituições e o desfile de tanques como forma de intimidação aos deputados têm ilustrado a deriva democrática.

Portugal é um país pequeno, mas com importância estratégica como entrada para a Europa e uma certa disposição para colaborar com interesses brasileiros. Um exemplo: enquanto outros países desembarcam do acordo com o Mercosul por questões ambientais, o governo português, mesmo com o desmatamento recorde na Amazônia, segue advogando pelo tratado.

Em visita a Lisboa, o chanceler Carlos França anunciou, para o ano que vem, a retomada da cúpula luso-brasileira (encontro entre os governos dos dois países, que não acontece desde 2016).

Com as eleições brasileiras em outubro de 2022 e as demonstrações cada vez mais claras de Bolsonaro de que partirá para o tudo ou nada em busca da reeleição, parecem remotas as chances do 7 de Setembro do bicentenário da Independência ter um panorama muito diferente do atual.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.