Descrição de chapéu
Paulo Martins

Um importante compromisso

Futura reitoria da USP não pode estar apartada de sua responsabilidade social

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Paulo Martins

Professor de letras clássicas e diretor da FFLCH-USP (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Universidade de São Paulo); é autor de 'Imagem e Poder' (Edusp), entre outros

Quando se assume a tarefa de gerir uma universidade pública, nos deparamos com “rotinas” essenciais: orçamento; recursos humanos; políticas acadêmicas para pesquisa, graduação, pós-graduação, cultura, extensão; internacionalização; administração dos espaços físicos; interface com a sociedade etc. Afora tudo isso, como sói acontecer em universidades públicas, o gestor deve respostas aos órgãos de controle, ao Judiciário e ao Legislativo, o que nos demanda muita energia. Entretanto, tais rotinas são absolutamente lídimas e necessárias.

Essas, porém, diante de suas dimensões inquestionáveis, acabam por solapar questões importantíssimas, tidas como miudezas, coisas simples e comezinhas que habitam o cotidiano e afligem a vivência universitária —somenos apenas para os incautos. O conjunto formador da universidade pública, de qualidade, democrática e inclusiva não se limita à graduação, à pós-graduação e à pesquisa, antes as extravasam. A nossa universidade pública é digna de muito destaque, justamente por ir além daquilo que é oferecido pelas instituições privadas. O gestor universitário público, em qualquer nível, deve responder às demandas da comunidade acadêmica firmemente sob pena de descurar daquilo que é significativo para todos nós: o ser humano.

Na esfera do “miúdo”, do “pequenino”, do “simples”, temos questões potentes sobre as quais o dirigente universitário —não o burocrata— deve e pode observar e administrar, não apenas por sua significação como também por seus efeitos benéficos. Assim, a política de permanência que compreende moradia, alimentação, creche, educação básica, saúde mental e física, transporte, esporte, cultura e lazer deve ter destaque na condução de uma universidade como a USP (Universidade de São Paulo).

Essa política social da universidade para parte da população parece estar deslocada de lugar, já que compete ao Poder Executivo geri-la; entretanto, não o fazendo, cabe sim à universidade assumi-la com responsabilidade, principalmente quando se têm 50% de estudantes ingressos por cotas étnico-sociais. A permanência, portanto, desse grande contingente é prioritária, e o seu fracasso provocaria mais ainda o acirramento das desigualdades num país à beira do colapso cuja responsabilidade tem nome: Jair Messias Bolsonaro.

A Universidade de São Paulo passará, nesses últimos meses de 2021, por um processo eleitoral para sua reitoria. E o futuro reitor ou reitora, eleito no dia 3 de dezembro, será responsável por uma população em grande parte carente pelos próximos quatro anos. Segundo números da própria USP, em 2019 tínhamos: 97.325 estudantes; 13 368 funcionários e 5.800 professores. Seguramente, são grandes as responsabilidades do(a) reitor(a), e não menores as expectativas da comunidade universitária em relação às políticas sociais. Não basta formar o estudante, é mister garantir que ele possa permanecer estudando.

É dever das chapas inscritas para o pleito oferecer proposições claras e efetivas para a permanência —sem descuidar da excelência. A futura reitoria não pode estar apartada de sua responsabilidade social. Esse compromisso é necessário para uma USP efetivamente inclusiva e condição "sine qua non" no Brasil de hoje sob o governo Bolsonaro.

TENDÊNCIAS / DEBATES
Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.​​

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.