Judiciário corrompeu o sentido do auxílio-moradia, afirma leitor

Benefício concedido a juízes, entre eles Moro e Bretas, é alvo de críticas 

Auxílio-moradia

Incomoda a naturalidade com que o magistrado reconhece que o Judiciário corrompeu o sentido original do auxílio e deu um "jeitinho" para passar um aumento por ato próprio ("Auxílio-moradia é discutível, mas compensa falta de reajuste"). Pródigo no escrutínio de desvios alheios, poderia refletir melhor sobre o acerto dessa decisão.

Paulo Ramos (São Paulo, SP)

 

Ainda esperamos que pelo menos um(a) magistrado(a) ou político, unzinho que seja, venha a público admitindo a imoralidade e renuncie ao tal auxílio-moradia.

Luiz Dalpian (Santo André, SP)

 

Para o cálculo dos salários dos juízes, como dos demais funcionários públicos, deveria ser considerado o auxílio permanência, que é a garantia vitalícia do emprego. Esse valor, que não tem nada de subjetivo, compensa eventuais falhas em reajustes salariais.

Márcio Macedo (Belo Horizonte, MG)


Execução de pena

Também acho que a pena de prisão poderia ser imposta a partir da condenação em segundo grau, quando dessa decisão já não couber recurso ao próprio tribunal que impôs a pena ("Execução penal, opinião e fatos"). Todavia, ante a literalidade da Constituição, que exige o trânsito em julgado da condenação para o estabelecimento da culpa (e início do cumprimento da pena), penso que seria necessário, primeiro, mudar a Constituição.

Luiz Fernando Schmidt (Goiânia, GO)

 

Na mosca o artigo dos ministros Luís Roberto Barroso e Rogério Schietti. É um texto oportuno e convincente, porque expõe firme opinião calcada em pesquisa séria acerca do tema da prisão em segunda instância. Além disso, louvo a clareza e a concisão do escrito.

Joaquim Quintino Filho (Pirassununga, SP)


Eleições

O PT grita aos quatro cantos que eleição sem Lula é golpe. Por outro lado, é normal o cidadão de bem aceitar que um corrupto condenado possa governar o país? O Judiciário, que é o guardião das leis, deveria acabar de uma vez por todas com essa novela. Arrastar por meses essa decisão só aumenta a ira dos perdedores e a decepção daqueles que acreditam na Justiça ("Eleitorado se divide sobre candidatura de Lula").

Izabel Avallone (São Paulo, SP)

 

Lula acaba de ser condenado por unanimidade em segunda instância por corrupção, com pena agravada por evidências de ter responsabilidade central no esquema de corrupção na Petrobras. Parece um delírio tropical que seu nome continue sendo proposto para o cargo de presidente da República.

Luís Roberto Nunes Ferreira (Santos, SP)


Judiciário

"Cármen Lúcia diz que é inadmissível desacatar ou agredir o Judiciário". Isso dito por qualquer leigo em leis não teria maior sentido do que explicitar revolta pela atitude de dirigentes do PT. Mas vindo de quem vem, o inadmissível só pode ter sentido se os agressores forem formalmente acusados e processados. A Justiça espera o quê?

Moisés Spiguel, engenheiro civi (São Paulo, SP)

 

Sem Justiça não há paz disse Cármen Lúcia. É exatamente isso. Belas e incontestáveis palavras, não fosse o deboche que a chamada Justiça tem feito de si mesma. Que respeito podemos ter por um Poder que se perde em parcialidades? Cidadãos, como eu, sentem-se impotentes por conta da farsa do julgamento de Lula.

Valter Luiz Peluque (São Paulo, SP)

 

A confirmação clara e inequívoca acerca da coluna de Matias Spektor é de que o STF é apenas um defensor dos seus interesses políticos. Por isso, a luta ferrenha de políticos para não perder o foro privilegiado.

Marcos Barbosa (Casa Branca, SP)


Febre amarela

Lamentável que tanto o Estado de São Paulo quanto a sua capital tenham sido negligenciados pelos seus gestores na questão de saúde, seja com a dengue, seja agora com febre amarela ("Alckmin e Doria reduzem gastos em ações de combate a mosquitos").

Ricardo de Macedo Santos (Porto Alegre, RS)


Seleção

Tostão insiste, desapontado, que a seleção não tem craques meio-campistas, que joguem de uma área à outra. Discordo. Paulo Henrique Ganso tem talento de sobra para executar essa função. Basta que Tite dê uma chance ao jogador.

Vicente Limongi Netto (Brasília, DF)


Domingos

Termos Ruy Castro aos domingos neste cantinho maravilhoso será ótimo ("Escritor e jornalista Ruy Castro assume coluna Rio aos domingos"). As saudades serão amenizadas daquele que fora nosso mentor em cada texto em que chorávamos ou riamos de suas narrativas. Carlos Heitor Cony.

Terezinha Dias Rocha (São Paulo, SP)


Participação

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para  leitor@grupofolha.com.br

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.