Descrição de chapéu Opinião eleições Michel Temer

'Presidente deve ter comportamento e caráter diferenciados', diz leitor

Em entrevista, ministro da Justiça defendeu que Temer receba um tratamento diferenciado

O presidente da República, Michel Temer, deixa a casa da presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, em Brasília
O presidente da República, Michel Temer, deixa a casa da presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, em Brasília - Pedro Ladeira/Folhapress

Michel Temer

Causou-me perplexidade o encontro do presidente da República, Michel Temer, com a ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal. Acredito que tenha sido para discutir a questão da segurança no país, mas, sim, para tratar das investigações contra ele. Se fosse sobre segurança, o encontro teria ocorrido antes da intervenção federal no Rio de Janeiro. Nada republicano. 

Maria Helena Beauchamp (São Paulo, SP)

 
Charge de João Montanaro, publicada no último dia 12
Charge de João Montanaro, publicada no último dia 12 - João Montanaro

Excelente a charge desta segunda-feira (12), de João Montanaro, ainda mais depois da constrangedora foto da ministra Cármen Lúcia sendo abraçada pelo enlameado presidente Temer. Haja estômago.

José Amadeu Piovani (São Paulo, SP)

 

Presidente tem de ter um comportamento e um caráter diferenciados, à altura da confiança depositada nele.

Abel Zimberknopf (São Paulo, SP)


Geraldo Alckmin

A Folha precipita-se ao jogar suspeição sobre empresas do governador Geraldo Alckmin e de seus familiares (“Firma de Alckmin usa prédio de cunhado suspeito de caixa 2”). O fato de essas empresas ficarem sediadas em um imóvel de um citado numa delação que está sob investigação não significa absolutamente nada. Trata-se de uma ilação indevida, uma vez que as referidas firmas são legais e não têm relação alguma com a acusação que se faz na Justiça.

Cauê Macris, presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo


Gratificações

Continuamos pagando a conta de gastos públicos indecorosos, pois o tão divulgado superávit primário nas contas públicas só foi possível com o aumento de impostos, sem mexer em um centavo nas inúmeras gratificações sem mérito e, pior, sujeitas a autoavaliações. Com os três Poderes e o Ministério Público como beneficiários, quem consegue mudar uma situação tão confortável como essa? 

Márcia Nascimento, arquiteta e urbanista (São Paulo, SP)


Cadastro Positivo

João Manoel Pinho de Mello, Marcos Mendes e Fabio Kanczuk defenderam a mudança na legislação do Cadastro Positivo, para que todos sejam incluídos nele, a menos que requeiram expressamente a exclusão de seu nome. Sem figurar no cadastro eu recebo constantemente importunas ligações oferecendo serviços que não me interessam. Dá para imaginar quantas receberei quando for publicamente apresentado como bom pagador? 

Roberto Dufrayer (Rio de Janeiro, RJ)


Curso

 

Sou professor universitário há 40 anos. Penso que tenho a mínima condição de expressar meu pensamento. A liberdade de pensamento, de expressão e de manifestação é da natureza acadêmica. Pessoalmente não concordo que tenha ocorrido o golpe, como muitos dos meus colegas, mas tenho que respeitar as ideias daqueles que são contrários ao meu pensamento. Por isso, optei pela carreira na universidade pública (“Docentes dos EUA criticam em manifesto cerco a cursos que falam em ‘golpe de 2016’”). 

Orlando Souza (Belém, PA)

 

A exemplo de David Irving, que negava a existência do Holocausto, docentes engajados podem criar disciplinas mirabolantes sobre o tal “golpe de 2016”, mas cedo ou tarde terão de admitir que foi um impeachment constitucional ou arcar com as consequências. A história costuma ser implacável com ideologias.

Márcio Camargo Ferreira da Silva (São Paulo, SP)


Direito

Onde é que mora a amizade? Onde é que mora a alegria? No largo de São Francisco... Na velha (e sempre nova) Academia (“Arcadas nada arcaicas”).  

Jorge Roberto Aun (São Paulo, SP)


Ruy Castro

Em relação ao texto “Final feliz em Guarulhos”, faltou o enfrentamento de uma grave questão: a necessidade de responsabilização —e punição exemplar— dos juízes e do promotor que atuaram no caso. As supostas vítimas (filhos do acusado) de abuso sexual procuraram o Judiciário, declarando que a história era uma farsa montada pela própria mãe. Não foram ouvidos. Desídia? Com a palavra o Conselho Nacional de Justiça e o Conselho Nacional do Ministério Público.

Milton Córdova Júnior (Vicente Pires, DF)

 

Discordo de Ruy Castro, que desqualifica a importância da guitarra. O mais notável dos instrumentos musicais é fundamental tanto em solos bem-comportados como em “riffs” alucinantes de “guitar heroes” como Jimmy Page, Ritchie Blackmore e David Gilmour. Não é necessário compor músicas usando-se guitarras. Mas a sua execução é obrigatória com a participação do icônico instrumento.

Maurílio Polizello Junior (Ribeirão Preto, SP)


Eleições

Estamos estarrecidos com os nomes dos pré-candidatos à Presidência da República. O que nos preocupa, para não dizer nos apavora, é a qualidade deles. Se não surgirem novos, o país ficará na mesmice. Oxalá apareçam novos nomes para que possamos acreditar num futuro melhor. 

Francisco José Cardia, professor e sociólogo (Bragança Paulista, SP)


 PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.