Descrição de chapéu

'Lamento que um juiz não tenha a postura de um magistrado', critica leitor

Sergio Moro participou de evento em Nova York organizado por grupo de João Doria

Sergio Moro em NY

Lamento que um juiz não tenha a postura de um magistrado. Isenção e discrição seriam o básico.

Aroldo Zella (Curitiba, PR)

 

Rendo minhas homenagens a Sergio Moro por suas atitudes, que mudaram a cara do país. Mas as conversas em rodas demonstram que a participação em homenagens não fica bem para a imagem que os brasileiros formaram dele. A excessiva exposição em fotos deve deixá-lo em posição desconfortável. Nós o aplaudimos, mas ficaríamos mais confortáveis se Vossa Excelência se retirasse um pouco da mídia, que é cruel nos comentários.

Rubens Roberto Habitzreuter (Curitiba, PR)


Michel Temer

O Brasil perdeu a grande oportunidade de sua história no combate à corrupção ao permitir que o Congresso não desse continuidade às denúncias contra Temer (“O crime não compensa?”, de Roberto Dias). Todos os que foram para as ruas para pedir o impeachment de Dilma não voltaram para pedir a autorização de abertura de processo contra ele. O país deixou de se engajar no sincero combate à corrupção para aderir ao movimento da simples troca de poder. Estamos pagando caro por essa falta de coragem.

Antonio de Oliveira Angrisani Filho (São Paulo, SP)

 

E pensar que, ainda assim, Michel Temer diminuiu a velocidade da descida do Brasil rumo ao precipício! É desolador.

José de Sousa Santos (Teresina, PI)

 

O colunista Bruno Boghossian ignorou a seção Erramos do jornal no qual publica seus artigos. A Folha publicou há quase um ano não ser possível fazer a avaliação que o colunista faz sobre o diálogo do delator da JBS e o Presidente Michel Temer.

Márcio de Freitas, secretário especial de comunicação social da Presidência da República

Resposta do colunista Bruno Boghossian A Folha atestou que o áudio da conversa era inconclusivo. A coluna não contradiz essa afirmação. Narra apenas que Temer disse ter ouvido um relato sobre pagamentos para auxiliar a família de Cunha.


Governo de Minas Gerais

É imprescindível prestar esclarecimentos sobre o texto (“Sem dinheiro, Minas distribui ambulâncias e parcela salários”). O governo reduziu crimes violentos em 30%, com a menor taxa de homicídios da década, o que se deve à contratação de 7.000 policiais, à compra de equipamentos e à transferência às ruas de homens relegados a funções burocráticas na gestão anterior. Cabe à União explicar atrasos na BR-381 e indenizar Minas pelas hidrelétricas São Simão, Miranda, Jaguara e Volta Grande, vendidas pelo governo federal, que as tomou sem pagar um centavo à Cemig.

Rodrigo Narciso, superintendente da Central de Imprensa do governo de Minas Gerais


Eleições

Será que ainda insistirão no nome de Henrique Meirelles como candidato a presidente? É melhor pedir a Joaquim Barbosa que volte atrás e tente ser o nosso presidente.

Marcelo Cioti (Atibaia, SP)


Forças Armadas na política

Militares podem ocupar espaço na política e patrocinar pleitos da categoria, mas seria desejável que agissem acima de tudo como cidadãos que buscam contribuir para a construção de um país mais justo e com melhor distribuição de oportunidades. Porém, há casos lamentáveis em que se apresentam como militares com a simplória arrogância de que a experiência na caserna e a arma na cintura são suficientes para serem eleitos salvadores da pátria (“Memória contestada”, de Matias Spektor).

Leonildo Rosa (Ji-Paraná, RO)


Recuperação econômica

Sem bode expiatório, como tem sido feito até agora, quais as causas reais da estagnação? Não precisa de muita teoria ou de estatísticas para ver, com simplicidade, que o que falta é produção, emprego, salário, consumo e crédito. Sem isso nada feito (“Economia voltou a se deprimir”, de Vinicius Torres Freire).

Benedicto Dutra (São Paulo, SP)


Filas da saúde

Lendo a reportagem sobre o tão falado e exaltado Corujão da Saúde do ex-prefeito João Doria (PSDB), fico me perguntando o motivo da promessa feita às pessoas, que acreditaram que a saúde melhoraria na gestão dele. Há inúmeras pessoas que ainda aguardam por simples exames... Ele deixou o barco e, agora, tenta partir para uma empreitada maior ainda. Se não deu conta da prefeitura, dará conta do estado de São Paulo?

Celia Regina Freitas (São Paulo, SP)


Moradores sem-teto acampados no largo do Paissandu, no centro paulistano
Moradores sem-teto acampados no largo do Paissandu, no centro paulistano - Danilo Verpa/Folhapress

Famílias acampadas

Calou fundo a fotografia estampada na Primeira Página com o título “Vítimas de incêndio em São Paulo vivem impasse”, tal é o desprezo das autoridades para com as crianças e adolescentes acampados. Contudo, cena idêntica acontece diariamente há mais de três meses na praça Oswaldo Cruz, no Paraíso, zona sul, onde estão acampadas famílias originárias de um outro imóvel desocupado. À vista das autoridades, ali permanecem crianças e adolescentes, sem banheiro, sem banhos, em meio ao lixo.

Antonio Clarét Maciel Santos, advogado (São Paulo, SP)


Contardo Calligaris

Confesso que fiquei temeroso quando li apenas o título da coluna de Contardo Calligaris (“Maio de 68, a revolução que deu certo”). Porém, ao ler o texto, folgo em dizer que o colunista continua brilhante como de costume.

Luiz Carlos de Abreu Albuquerque (Viçosa, MG) 


Calendários

Gostaria de parabenizar os envolvidos na coluna “Quando viveu Isaac Newton, afinal?”, tanto o leitor citado no texto como o seu autor, Marcelo Viana. São pessoas assim que enriquecem o debate intelectual no país. Continuem assim.

Adenilson Rosa Valério (Uberaba, MG)


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.