Descrição de chapéu

'Temer está longe de ser um estadista na acepção plena do termo', diz leitor

Segundo o Datafolha, 82% dos brasileiros consideram o governo do emedebista ruim ou péssimo

Investigações da Lava Jato

Em síntese: a lei draconiana que serve para punir exemplarmente uns alivia a cara de potentados de prestar conta a órgãos públicos com os quais têm dívidas (“Moro trava investigações para proteger empresas e delatores da Lava Jato”).

Paulo Watrin (Belém, PA)

 

Faz sentido. O Estado tem que cumprir com o acordo feito. Em um sistema em que os criminosos contam com os melhores especialistas em blindagem e os melhores advogados, só a delação premiada pode combatê-los.

Carlos Peruffo (Curitiba, PR)


Informação compartilhada

Sobre o projeto de Antonio Anastasia para obrigar o Ministério Público e as polícias Civil e Federal a compartilhar informações sobre investigações ainda em curso, se o texto for aprovado, os poderosos —políticos, empresários, funcionários da administração pública, juízes e outros envolvidos em delitos— poderão beneficiar-se de informações para então destruírem as provas e/ou arquitetarem conchavos com os envolvidos, para se safarem (“Vai farinha, volta pirão”).

Valdemar Kuniy, aposentado (São Paulo, SP)


Michel Temer 

O estadista é aquele que sabe contornar problemas sem criar problemas. Michel Temer está longe de ser um estadista na acepção plena do termo (“Ainda um mistério”).

Nelson José Feroldi (Buritama, SP)

 

Há um lado positivo nessa queda de popularidade de Michel Temer: cai o mito Henrique Meirelles (“Insatisfação com gestão econômica de Temer puxa reprovação recorde”).

Gustavo Adolfo Ramos Mello Neto (Maringá, PR)


Eleição

Não vamos nos iludir. Mesmo sem ter um presidente da República, o MDB estará, como sempre, no poder (“Ações em baixa”, de Bruno Boghossian).

Nacib Hetti (Belo Horizonte, MG)

 

Neste emaranhado de candidaturas sem futuro, o único que poderia nos salvar é um nome de centro. 

Paulo Rivail Andrade Andrade (Ituiutaba, MG)

 

Seria interessante se na próxima pesquisa de intenção de votos para presidente o Datafolha incluísse a pergunta se o eleitor sabe que o ex-presidente Lula está preso, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro a mais de 12 anos. Essa me parece uma variável relevante.

Marcos de Luca Rothen (Goiânia, GO)


Semáforos

Fosse o Brasil um país desenvolvido e de pessoas educadas, não teríamos semáforos, mas rotatórias (“Sinais do descaso”). Assim não teríamos de ficar parados esperando a luz verde para seguir em frente nem a manutenção que nunca vem. Basta respeitar a preferência de quem chegou primeiro e pronto. Funciona que é uma beleza. Semáforos só beneficiam o ambulante, o assaltante e a empresa de manutenção que ganha sem trabalhar.

Nelson Xisto Damasceno Filho (Belo Horizonte, MG)


Petrobras

Corretas e esclarecedoras as ponderações de Décio Oddone, enfatizando a necessidade de maior competição no refino, operação e comércio dos preços dos combustíveis (“A política de preços da Petrobras interessa a ela, não ao Brasil, diz ANP”). A ANP regula, primordialmente, a atividade econômica (petróleo e derivados) estabelecida pelo Estado. As atividades econômicas da indústria do petróleo, derivados, gás natural e de outros hidrocarbonetos fluidos deverão ser exercidas pela Petrobras em caráter de livre competição com outras empresas, em função das condições de mercado.

Luiz Gonzaga Bertelli, diretor e conselheiro da Fiesp-Ciesp (São Paulo, SP)

 

A atuação da Petrobras tem de ser obrigatoriamente aquela que possa servir à estratégia do governo, senão ela não tem razão de existir. A privatização não é a solução, porque a empresa é um patrimônio do país e custou muito caro para ser vendida de graça, como governos fizeram em privatizações anteriores. A solução é abrir o mercado a quem quiser investir, e quem for capaz sobreviverá.

Wilson Thomaz (São Paulo, SP)


Ministério da Defesa

Os militares nunca ficaram constrangidos com a presença de civis no Ministério da Defesa (“Pela primeira vez, militar é efetivado na Defesa”). Sempre foram leais e colaboraram com entusiasmo. Por qual motivo haveria constrangimento por parte dos civis?

José Mario Alves de Souza (Salvador, BA)


Copa do Mundo

Temos de levar em conta que antes a Copa do Mundo era uma das poucas oportunidades que tínhamos para ver os grandes astros do futebol mundial. Atualmente, estamos carecas de acompanhar partidas de campeonatos de prestígio como o alemão, o espanhol, o inglês e a Liga dos Campeões. Isso faz com que diminua o apelo da Copa do Mundo.      

Geraldo Magela da Silva da Xavier (Belo Horizonte, MG)


Esterilização

Nunca pensei que tal aberração pudesse ocorrer em uma democracia. Gostaria que vocês não deixassem esse assunto se perder no esquecimento. É algo muito grave. Não importa quantos filhos Janaina tenha e se ela é usuária de drogas ou não, o Estado não pode proceder assim. Aproveitando, acho que a Redação deve uma desculpa ao pôr na título o número de filhos que ela tem (mãe de 8), como se isso fosse um atenuante. Mesmo que não tenha sido proposital, cria uma anestesia no leitor mais incauto (“Esterilização de mãe de 8 no interior de SP é investigada”).

Francisco Fontes Lima Neto (Petrópolis, RJ)


Peças de grife

Ao ler a reportagem “Quanto ‘k’ de ‘dol’ vale o novo mercado das ‘feras hype’”, fiquei espantado com o fato de que comprar roupas caras virou tendência entre jovens. Isso é muito errado, pois alguns jovens entendem como um valor que os diferencia dos outros apenas pelo uso de uma roupa, o que mostra os valores distorcidos da sociedade.

Nicolas Pereira Tomasella (Piracicaba, SP)


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.
 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.