'Repudio o dano que Mourão está fazendo à imagem dos militares', diz leitor

Vice de Jair Bolsonaro definiu 13º salário como uma 'jabuticaba brasileira'

Eleições

Como militar da reserva, repudio o dano que este senhor [Hamilton Mourão, vice de Jair  Bolsonaro] está fazendo à imagem dos militares. Por intermédio de suas “palestras”, vem associando a figura do militar brasileiro, especialmente os do Exército, a uma postura antidemocrática, autoritária e preconceituosa, além de mal informado e mal formado em relação aos problemas nacionais. Há generais, coronéis, oficiais e praças mais bem preparados intelectualmente que esse senhor. Por qué no te callas?

Marcelo Pimentel Jorge de Souza (Recife, PE)

 

Difícil entender o que está acontecendo com as pessoas. Parece que falta senso. Comentam-se propostas que para serem postas em prática demandam, após o pleito, muita discussão. O 13º salário não é a única, reparem a reforma da Previdência. Trata-se de assunto a ser discutido com calma e reflexão pelo futuro governo. Por outro lado, o Rio de Janeiro está sob intervenção federal e a população parece aprovar isso. Por que, então, não se fazem as coisas com calma? 

Anderson Fazoli (São Paulo, SP)

 

Cada um de nós precisa pensar positivamente qual candidato é o melhor para o país e dizer sim a ele, sempre lembrando quais são as prioridades do Brasil e que país queremos deixar para nossos filhos e netos. Um candidato que seja dinâmico, político hábil, honesto, com boas ideias. E este candidato existe. Se não perfeito, pelo menos razoável. Eleição é coisa muito séria.

Victor Hargrave (Campinas, SP)

 

Não precisa de adversários para ser derrotado o presidenciável que tem como vice um general que defende o fim do 13º salário e tem um filho que divulga numa rede social uma imagem que simula tortura (“Filho de Bolsonaro posta imagem que simula tortura de opositor”).

Túllio Marco Soares Carvalho (Belo Horizonte, MG)

 

A Folha disse que Bolsonaro ameaçou sua ex-mulher. A ex-mulher disse que nunca foi ameaçada por Bolsonaro. Devo acreditar no que a própria ex-mulher disse ou no que a Folha disse que a ex-mulher disse?!

Daniel T. Nogueira (Lorena, SP)

 

“Quem botou o Temer lá foram vocês”, disse com razão o candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad. O país vivia numa total tranquilidade, pleno emprego, obras em andamento, total segurança nas ruas e os hospitais públicos caçavam clientes. Com a chegada do Temer, houve uma total reviravolta. Está certo o ex-prefeito de São Paulo, que teve seus méritos reconhecidos pela população da capital (“Em alta nas pesquisas, Haddad se torna alvo de Ciro e Marina em debate”).

Arthur A. Mondin (Guarapuava, PR)

 

Merece respeito a postura da Folha de não revelar quem apoia em disputas eleitorais, assim como merecem o mesmo respeito veículos que optam por fazê-lo (“Para 87%, Folha deve manter princípio de não apoiar candidato”). Contudo, defensor de ideais liberais, o jornal poderia posicionar-se em relação ao que não apoia. Quem um dia engajou-se politicamente na campanha pelas Diretas poderia colocar-se contra quem explicitamente despreza a democracia. #EleNão é um candidato como outro qualquer.

Daniel Bin, professor da UnB (Brasília, DF)


Imprensa

A imprensa livre —em especial a Folha— é uma das poucas coisas nas quais acredito neste país horrendo que está virando o Brasil (“Imprensa golpista ou comunista?”, de Mariliz Pereira Jorge). Por favor, senhores jornalistas, continuem com o bom trabalho. 

Karina Ratton (Curitiba, PR)

 

Tempos lamentáveis em que estamos vivendo. Acham que jornalista é jurado de programa: está lá só para dar notas altas e lustrar os candidatos. Precisam ser lembrados de que a democracia é feita de discordâncias, o que é ótimo para a sociedade evoluir. 

Sérgio Ribeiro (São Paulo, SP)


Educação moral e cívica

Vergonhoso ainda discutirmos isso (“Bolsonaro quer educação moral e cívica no currículo das escolas”). Lembro-me de passar o dia decorando hinos e jargões, uma perda de tempo. O amor pelo Brasil nasce por meio de trocas e afetos reais, nasce da troca com o que é diferente e nasce, principalmente, do pensamento crítico.

Maria Alice Lucena de Gouveia (Recife, PE)

 

São disciplinas importantes, que poderão formar uma juventude mais consciente em relação à ética, aos símbolos da pátria, ao pensamento coletivo e individual, à responsabilidade coletiva e individual, à lealdade, ao nacionalismo, à organização e ao funcionamento das instituições nacionais, direitos e deveres do cidadão. Não tenho dúvida de que passaremos a contar com brasileiros(as) mais aptos(as) para escolher seus representantes nos Executivos e Legislativos.

Tiago Lopes (Rio de Janeiro, RJ)


Ministro do STF

O Supremo Tribunal Federal precisa inicialmente apresentar o mínimo de respeito e de dignidade em suas decisões monocráticas ou em grupo (“Quem ganha leva; quem leva respeita as regras e os direitos dos outros”). É necessário que as decisões sejam aplicadas à luz da jurisprudência, não da política. Antes de ficar mandando recados de como preservar o Estado democrático de Direito, é preciso agir com retidão.

Gilvan Fernandes Almeida (São Caetano do Sul, SP)

 

Finalmente um pouco de lucidez, um texto com conteúdo e reflexões positivas. O equilíbrio precisa prevalecer em momentos de turbulência.

Alessandro Suzini (Batatais, SP)


Donald Trump

A fala de Trump não promoveu o americanismo, e sim o trumpismo. Ele reapresentou a América de maneira desafiadora: aquela que não mais estenderá uma mão de ajuda, mas sim um punho cerrado. Fosse outro presidente qualquer, o momento das risadas, ainda que abafadas, teria provocado algum constrangimento. Mas para ele pouco importa. Afinal, ele não confere qualquer importância para o resto do mundo (“Mentiras sinceras”, de Roberto Dias).

José Teixeira de Moura Neto (São Paulo, SP)

Michel Temer

O maior erro de Michel Temer foi se encontrar com Joesley Batista. Ele deveria ter se afastado do cargo, mas não há políticos com espírito público neste país (“Temer de carona”, de Bruno Boghossian).

Cristina Carvalho Barboza (Ilhabela, SP)

​​PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.​

 

 

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.