'Já basta a enxurrada de textos favoráveis ao golpista Guaidó', diz leitor

Nesta segunda (4), foi a vez de países europeus o reconhecerem como presidente interino do país

Candidaturas de laranjas

Folha, muito obrigado pela reportagem “Ministro criou candidatos laranjas em Minas para desviar recursos na eleição”. O texto é muito bem escrito e, apesar da quantidade de pessoas e empresas envolvidas, fica muito claro o mau uso de verba pública. Agradeço pelo texto, ao mesmo tempo que lamento os fatos que informa.

Washington Luiz Valero Fernandes (São Paulo, SP)

 

Essa nova política é baseada em quê? Em uma nova forma de praticar corrupção? Graças a Deus não caí nessa lábia. Preparem-se, há muita coisa ainda debaixo do tapete para ser varrida. Aguardando de camarote.

Carmem Veras (Paço do Lumiar, MA)


Brumadinho

O que o país menos precisa agora é de um ministro do Meio Ambiente que pretenda ensinar a Vale, o Ibama e a Agência Nacional de Mineração o que devem fazer para prevenir desastres com barragens de rejeitos (“Tributo a Brumadinho”, de Ricardo Salles). O que se espera agora é que ele e o seu governo obriguem a Vale a retirar de Brumadinho até a última pá do rejeito que lançou, a devolver todos os restos mortais aos familiares e a indenizar todos aqueles cuja vida desgraçou.

Emilio Borsari Assirati (Bebedouro, SP)

Deputado federal

As doações recebidas pelo deputado federal Sérgio Vidigal (PDT-ES) na campanha de 2014 foram feitas pelo Diretório Nacional do PDT. Logo, a origem da doação só foi informada na prestação de contas feita pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). O deputado federal Sérgio Vidigal não possui nenhum vínculo com a mineradora. Vale destacar que o congressista também foi signatário da CPI que investigou o desastre de Mariana e será signatário da CPI que investigará o acidente em Brumadinho (“Bancada da lama barra ações para melhorar segurança em barragens”).

Sérgio Vidigal, deputado federal (PDT-ES) 


Venezuela

Ponto para a Folha: publicou outro ponto de vista sobre a Venezuela (“A Venezuela deve antecipar a realização de novas eleições? Não”, de Breno Altman). Com toda a pressão da direita latina e americana, Maduro não caiu, não apenas pelo apoio das Forças Armadas mas porque tem enraizamento popular. Que se publiquem mais artigos críticos do ponto de vista dos apoiadores de Maduro. Já basta a enxurrada de textos favoráveis ao golpista Guaidó.

Marcos Antônio Campos Couto (São Gonçalo, RJ)

 

Assim como o governo Maduro não representa de fato os ideais socialistas, trabalhistas e social-democratas, o governo Bolsonaro não representa o real liberalismo. Ambos são extremistas. A diferença é que Maduro já calou a imprensa, cooptou a Justiça e domesticou as Forças Armadas. No Brasil, precisamos da imprensa investigando e informando, da Justiça na defesa da Constituição, das Forças Armadas livres de ativismos políticos, do Congresso legislando com a Constituição nas mãos e do povo vigiando.

Sandro Oliveira de Carvalho (Curitiba, PR)

Reforma da Previdência

Quem serão os mais interessados nos termos considerados para a reforma previdenciária? Quem ganhará e quem perderá com isso? Qual o interesse das previdências privadas versus bancos nisso tudo? O que se espera é que o Congresso, renovado, considere o interesse público —e público significa a maioria do povo brasileiro— e, além de debater a fundo essa reforma, seja  claro ao trazer para o povo a verdade sobre o tema (“Ecos na caserna”, de Julianna Sofia).

Ivan Cunha (Recife, PE)

 

Vejo a questão previdenciária com menos complexidade do que se põe. O fato é que pessoas estão se aposentando cedo, muitos com menos de 50 anos, e vivendo mais. Viver mais é ótimo, e, com isso, podem contribuir um pouco mais. Isso vale para todos, civis e militares. O que precisa ser corrigido é o tempo mínimo de contribuição, que está baixo. Com dois ou três artigos, resolve-se a questão, sem demagogias.

Evandro Loes (Timbó, SC)

 

O governo diz que o trabalhador está se aposentando muito cedo e, com isso, compromete a Previdência. Mas já pararam para pensar se o trabalhador está se aposentando com qualidade de vida? Grande parte da massa trabalhadora se aposenta e gasta todo o dinheiro com remédios. Isso é qualidade de vida?

João Alberto Portella (Cascavel, PR)


Milícias

A continuar com a ineficiência ou cumplicidade do Estado brasileiro em relação às milícias, teremos novas Marielles sendo impunemente sacrificadas (“Parapolítica, uma lição colombiana”, de Demétrio Magnoli).

Luiz Rancan (Brasília, DF)


Monteiro Lobato

Surpreendeu-me positivamente a crítica de Jorge Coli sobre os livros infantis reunidos na coleção “O Sítio do Pica-Pau Amarelo” (“Vila Lobato!”). Acusar Monteiro Lobato, autor de “O Presidente Negro” e “Negrinha”, de racista é um desvario do politicamente correto, conforme argumenta o articulista. Emília é a musa da irreverência para gerações de brasileiros. Viva a boneca Emília!

José Antonio Garbino (Bauru, SP)

 

Li com enorme satisfação o texto claro e verdadeiro sobre Monteiro Lobato. Cresci encantada por seus personagens. Tia Nastácia, a mais sábia. Dona Benta, a avó que enganava a quem a julgasse por sua aparência frágil. Emília e Visconde, os mais humanos. Ainda me encantam e muito.

Evelyne Furtado (Natal, RN)

 

Monteiro Lobato exerceu enorme influência na minha formação (tenho 74 anos), chegando a marcar alguns interesses profissionais que tenho. A libertária Emília era meu xodó. Concordo com o autor do texto, racismo só vê quem não entende o que lê.

Rotenio Castelo Chaves Filho (São Paulo, SP)


Quadrão

Excelente o quadrão de Luiz Gê. Sintetiza de maneira precisa o Brasil e a melancolia que sentimos com toda a situação atual. 

Lúcia Camargo (São Paulo, SP)


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.​​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.