Moro foi do topo do poder como juiz a boneco do poder como ministro, diz leitor

Recuo de ministro na indicação de Ilona Szabó e Bolsonaro falar sobre PCC irritam leitores

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Moro recua de nomeação
Minha solidariedade a Ilona Szabó (“Moro recua de nomeação de especialista em segurança pública para conselho”, Cotidiano, 28/2). Muito contribuiria (apesar de falar a ouvidos moucos). Moro, de novo, comprova que usou o cargo de juiz para fins próprios.
Marcio Francisco Colombo (São José do Rio Preto, SP)
*
Do topo do poder como juiz para o boneco do poder como ministro.
Giovanni Secco (Florianópolis, SC)

*
Juiz manda, ministro obedece!
Luiz Siqueira (Palmas, PR)
*
Acompanho Ilona Szabó no Instituto Igarapé e tive a esperança de vê-la numa função pública. É mais preparada que qualquer outro, com ampla visão sobre a criminalidade, suas causas, e caminhos para contê-la. Esse foi outro alarme dos muitos que sinto deste governo.
Marina de Paula Trindade (Londrina, PR)

Ilona Szabó de Carvalho, colunista da Folha, fala em evento
Ilona Szabó de Carvalho, colunista da Folha, fala em evento - Bruno Santos/Folhapress

Bolsonaro e o PCC
Percebam isso (“Bolsonaro diz ter ouvido áudio que mostraria interesse do PCC em facada”, Poder, 28/2). A situação aperta, o jogo fica difícil, não sabe o que fazer... Aprenda com Bolsonaro, ressuscite o assunto que o coloca como vítima para ocupar espaço midiático com mimimi de quem não tem o que dizer. “Peço à Polícia Federal que investigue”! Você é o chefe da Polícia Federal, não fique aí com mimimi diante da câmera.
Diego Rodrigues (São Bernardo do Campo, SP)

O presidente Jair Bolsonaro (PSL)
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) - Pedro Ladeira/Folhapress


*
Capitão, essa foi pior que os atestados médicos para não comparecer aos debates.
Magali Barbosa de Abreu (Belo Horizonte, MG)
*
Parece-me mentira na tentativa de se promover como mártir. Agora que trouxe o caso a público, libere o áudio publicamente pelos canais oficiais e prove que fala a verdade.
Leonardo de Tomasi Minghelli (Caxias do Sul, RS)


Reforma da Previdência
Ah, muda a música (“Bolsonaro pode negociar BPC e baixar para 60 idade para mulher se aposentar”, Mercado, 28/2). Na aprovação da reforma trabalhista, a mesma ladainha apocalíptica foi entoada. Onde estão os empregos prometidos? Tudo mentira.
Barbarella Duran (São Paulo, SP)
*
Mais uma fraquejada.
José Cláudio (Rio de Janeiro, RJ)
*
Ficaremos de olho! Queremos vê-lo não ceder ao “toma lá da cá”!
Luis Augusto Araujo (Santos, SP)
*
Não foram os trabalhadores que desviaram recursos dos fundos da Previdência. Por que não adotam 57 anos para mulher e mantêm a conta de 35 anos para todas, até mesmo para as professoras? Retire-se a cláusula da lei complementar (que viola a Constituição), e o BPC voltará cheio ao salário mínimo, aos 60 anos.
Carla Lins (Aracaju, SE)


Nova explicação de Queiroz
Cada mentira que fala (“Queiroz diz que dividiu salários para ampliar gabinete de Flávio Bolsonaro”, Poder, 1º/3) cria outra para manter a anterior. Assim Queiroz vai empurrando o Judiciário com a barriga.
Luciano Alves (Contagem, MG)
*
A cada momento uma explicação estapafúrdia! Essa é prática usada por parlamentares de todo o país. E é ilegal.
Denise Vargas (Brasília, DF)

*
Por que o deputado, hoje senador, não disse antes? 1) Flávio é incompetente (não via algo tão óbvio); ou 2) Flávio é conivente (com crime do qual se beneficiou). O que você acha?
Marcelo Pimentel Jorge e Souza (Recife, PE)
*
O Queiroz virou “autoridade”! Manda a defesa por escrito. Melhor que não a enviasse. Estou adorando o Brasil do Bolsonaro. E pensar que a Dilma era um horror. Agora é o quê?
Rodrigo Ribeiro (São Paulo, SP)


Hino nos estádios
Executar o hino nos estádios de futebol, além de não produzir o que se esperava —valorizar os símbolos nacionais—, tem efeito contrário: banalizar o que deveria ser respeitado. Como a Folha informa (“Novidade neste século, hino é ignorado nos estádios de futebol”, Esporte, 28/2), nenhuma torcida o respeita. E, com a quantidade de jogadores estrangeiros que temos em nossos campeonatos, fica sem sentido executar o hino. Por que não fazer como na Liga dos Campeões, em que é executado o hino do torneio? Reserve-se o hino nacional para as seleções.
Roque Luiz Rodrigues da Silveira (Jundiaí, SP)

Choque de trens no Rio
Oito horas esperando para se livrar das ferragens? Eu lamento a morte do maquinista (“Morre maquinista retirado de trem que colidiu nesta quarta, no Rio”, Cotidiano, 27/2) e sugiro à família que abra inquérito. Por que tanta demora no resgate?!
Luis Fernandes (Petrópolis, RJ)

Trens ficam destruídos após colisão na estação São Cristóvão, no Rio
Trens ficam destruídos após colisão na estação São Cristóvão, no Rio - Reprodução/TV Globo

Demissões no Ibama
Sob encomenda do agronegócio (“Ricardo Salles exonera 21 dos 27 superintendentes regionais do Ibama”, Ambiente, 28/2). Não sobrará nada!
Roberto Xavier de Castro (Antonina, PR)
*
O ministro não gosta muito de proteção ao ambiente. Talvez um mergulho no rio Tietê melhore sua percepção do que a pasta representa. 
Jose Roberto X. de Oliveira (São Paulo)


PARTICIPAÇÃO

Os leitores podem colaborar com o conteúdo da Folha enviando notícias, fotos e vídeos (de acontecimentos ou comentários) que sejam relevantes no Brasil e no mundo. Para isso, basta acessar Envie sua Notícia ou enviar mensagem para leitor@grupofolha.com.br.​​

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.